Ratko Mladic vai faltar a audiência de hoje por doença

O ex-chefe militar dos sérvios da Bósnia Ratko Mladic informou que está doente e por isso vai faltar à audiência marcada para hoje à tarde no Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ).

"Não estou em condições de assistir aos procedimentos de hoje no tribunal devido a doença", afirmou Ratko Mladic, 69 anos, num documento publicado pelo tribunal. "Renuncio ao direito a estar presente no tribunal e dou o meu consentimento a que o procedimento prossiga na minha ausência mas na presença do meu advogado", acrescentou. No documento, uma enfermeira do centro de detenção do TPIJ, onde Mladic está desde 31 de maio, afirma ter observado sintomas indicando que Mladic "pode sentir-se demasiado doente para comparecer no tribunal" e que "a doença necessita de um longo período de convalescença".

A porta-voz do tribunal Nerma Jelacic disse à agência France Presse que a audiência vai realizar-se como previsto, às 16:00 locais (15:00 TMG e Lisboa), sem a presença do antigo general. Mladic é acusado de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra, cometidos durante a guerra da Bósnia (1992-1995), entre os quais o massacre de cerca de 8.000 muçulmanos Srebrenica em julho de 1995. Detido a 26 de maio na Sérvia, Mladic, que se declarou inocente, tem-se queixado de problemas de saúde em todas as audiências realizadas até agora. O seu advogado Branko Lukic disse hoje à agência sérvia-bósnia SRNA que o estado do seu cliente é "muito grave" e que o ex-general teria de se deslocar em cadeira de rodas.

Quando compareceu no tribunal pela primeira vez, a 03 de junho, Mladic disse-se "extremamente doente" e o seu advogado em Belgrado, Milos Saljic, afirmou que o ex-general tinha estado hospitalizado em outubro devido a uma pneumonia. Estas informações não foram confirmadas nem desmentidas pelo TPIJ. Na audiência de hoje, Mladic deveria declarar-se culpado ou inocente de uma nova acusação, acrescentada recentemente pelo procurador à ata de acusação, relativa ao assassínio de mais de 30 muçulmanos a 23 de julho em Bisina (Bósnia Oriental). O antigo presidente da Jugoslávia Slobodan Milosevic morreu de ataque cardíaco na sua cela no centro de detenção do TPIJ em março de 2006, antes da conclusão do seu julgamento.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG