Polícia dispersa manifestação no local do drama mineiro

A polícia turca dispersou hoje com gás lacrimogéneo, canhões de água e balas de borracha 10.000 pessoas que se manifestavam no local da catástrofe mineira de terça-feira no oeste da Turquia, que provocou cerca de 300 mortos.

Segundo jornalistas da AFP no local, pelo menos cinco pessoas, incluindo dois polícias, ficaram feridos.

Antes da intervenção policial na cidade mineira de Soma, situada perto das minas de carvão onde ocorreu o acidente, os manifestantes tinham recusado dispersar a concentração, apesar dos apelos das forças de intervenção.

Os manifestantes, muito exaltados e que ecoavam "Demissão do governo" ou "Soma não durmas, não esqueças os mineiros", entre outras palavras de ordem, responderam à polícia com o lançamento de pedras.

Pelo menos cinco pessoas, incluindo dois polícias, ficaram feridos, referiu a agência noticiosa AFP.

O acidente da mina de Soma, provocado por uma explosão, suscitou uma nova cólera social contra o Governo islamita-conservador do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, acusado de laxismo e negligência.

Hoje, prosseguiam os últimos esforços para recuperar os últimos corpos dos mineiros, e quando se acentua a contestação política, em particular dirigida ao primeiro-ministro.

No entanto, e nas próximas semanas, Erdogan deverá anunciar a sua candidatura às eleições presidenciais de 10 de agosto, as primeiras realizadas por sufrágio universal.

Desde terça-feira, milhares de turcos voltaram a descer às ruas nas principais cidades do país para demonstrar o seu descontentamento contra o governo, na sequência da inédita mobilização popular do verão de 2013.

O poder esforça-se agora por acalmar os ânimos e prometeu fornecer "todos os detalhes" sobre a pior catástrofe industrial da história do país.

"Vai haver um inquérito profundo", assegurou Erdogan na quarta-feira, durante a sua atribulada visita ao local no acidente. Uma deslocação que contrastou com a visita sem incidentes a Soma do ainda Presidente turco, Abdullah Gul.

Mais Notícias