Merkel admite concessões ao SPD para formar Governo

A chanceler alemã, Angela Merkel, admitiu na segunda-feira, após uma ronda de negociações com o Partido Social Democrata (SPD) concessões ao partido da oposição na política laboral.

Na segunda reunião com o SPD, ontem em Berlim, o partido de Angela Merkel, que não exclui a opção de coligar-se com o partido ecologista Verdes para formar Governo, discutiu com os sociais-democratas uma das suas reivindicações na campanha eleitoral: um salário mínimo interprofissional para fazer face à crescente precarização do mercado laboral alemão.

A secretária-geral dos sociais-democratas, Andrea Nahles, insistiu na necessidade de implantar o salário mínimo - que se situa em 8,5 euros por hora -, com o argumento de que oito milhões de trabalhadores recebem ordenados baixos e que existem setores em que cada hora é paga a cinco euros.

A ministra do Trabalho, Ursula van der Leyen, integra as fileiras da CDU/CSU que defendem a medida.

O SPD, considerado o parceiro mais plausível de CDU (União Democrata Cristão) e CSU (União Social Cristã) no terceiro mandato de Merkel, deu sinais claros no fim de semana de que iria impor como condição a política laboral para prosseguir com os contactos para formar Governo.

Para tanto, a SPD manifestou que, em troca, podia renunciar à subida de impostos nos rendimentos mais altos, que defendeu igualmente na campanha eleitoral para as eleições de 22 de setembro, em que CDU/CSU venceram, mas sem maioria absoluta.

A reunião de segunda-feira decorreu no edifício adjacente ao Reichstag e reuniu 14 delegados da CDU/CSU e sete do SPD.

O anterior encontro entre os partidos tinha ocorrido há dez dias.

Hoje, CDU/CSU reúnem-se novamente com os Verdes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG