Medvedev admite regressar à presidência da Rússia

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, admitiu hoje regressar à presidência, onde esteve entre 2008 e 2012, mas assegurou estar satisfeito nas funções de chefe do governo do mentor, Vladimir Putin.

"Se tiver força e saúde, se o nosso povo me vier a confiar essa posição, então naturalmente não excluo uma tal viragem", disse Medvedev numa entrevista à agência France Presse e ao diário Le Figaro a propósito da visita de trabalho a França que inicia hoje.

Dmitri Medvedev foi presidente da Rússia depois de Vladimir Putin ter cumprido dois mandatos consecutivos e estar, por isso, impedido de se recandidatar. Nesse período, Putin desempenhou as funções de primeiro-ministro.

Quatro anos depois, em maio de 2012, Putin, de 60 anos, foi eleito presidente e escolheu Medvedev, de 37, para primeiro-ministro.

Medvedev afirmou que um eventual regresso à presidência "depende de uma série de fatores", mas não deve ser afastado. "Nunca digas nunca, especialmente quando nadei nesse rio uma vez e esse é um rio em que se pode nadar duas vezes", disse.

Na entrevista, Medvedev referiu-se aos laços que o unem a Putin, afirmando que dificilmente teria sido primeiro-ministro com outro presidente, mas assumiu também as diferentes posições de ambos, nomeadamente em relação à banda 'punk' Pussy Riot.

Duas jovens membros da banda foram condenadas, em agosto, a penas de prisão por uma ação anti-Putin numa catedral ortodoxa de Moscovo.

Dmitri Medvedev reafirmou, na entrevista, a convicção de que as mulheres devem ser libertadas: "Penso que elas já tiveram uma ideia do que é a prisão, por isso não é necessário continuar o castigo na prisão".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG