Julgamento de Ratko Mladic adiado 'sine die'

Defesa pedira no início da semana o adiamento do julgamento do antigo comandante militar dos sérvios bósnios. O adiamente deveu-se a questões tecnico-jurídicas.

O processo do antigo chefe militar dos sérvios da Bósnia, Ratko Mladic, foi adiado 'sine die', tendo os juízes do Tribunal penal Internacional (TPI) para a ex-Jugoslávia decidido suspender a audição da primeira testemunha da acusação, prevista para 29 de maio.

"A audiência foi adiada 'sine die'", declarou o juiz Alphons Orie no segundo dia do processo de Mladic, tendo os juízes "decidido suspender o início da fase de apresentação dos meios de prova da acusação".

O juíz, que assegurou divulgar logo que possível a data para o reinício dos trabalhos, referiu a existência de "irregularidades" na transmissão à defesa de documentos na posse do tribunal atualmente na posse do procurador, e considerados importantes para a defesa preparar o processo.

Sob pretexto de não estar pronta para o processo, a defesa de Ratko Mladic, de 70 anos, pedira segunda-feira um adiamento de seis meses. A acusação indicou quarta-feira que não levantaria obstáculos a um adiamento de seis meses na abertura do julgamento.

O general Mladic foi preso a 26 de maio de 2011, após 16 anos a monte. É acusado de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra durante o conflito na Bósnia, que causou mais de cem mil mortos e 2,2 milhões de deslocados entre 1992 e 1995.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG