DSK pagou 1,1, milhões de euros a empregada de hotel

Dominique Strauss-Kahn pagou 1,1 milhões de euros para resolver a acusação de violação da empregada de hotel de Nova Iorque contra o antigo diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), afirma a publicação "Le Journal du Dimanche".

Este valor foi fixado no acordo confidencial entre as partes assinado perante um juiz de Nova Iorque a 10 de dezembro para por fim ao processo iniciado em maio de 2011.

Do total dos 1,5 milhões de dólares (cerca de 1,1 milhões de euros), pouco mais de um milhão de dólares ficou para a empregada de hotel, Nafissatou Diallo, e 30% para os seus advogados, segundo o jornal francês.

O jornal cita fontes próximas de Dominique Strauss-Kahn que confirmam o valor e o juiz Douglas McKeon, que dirigiu as negociações, desmentiu que estivessem em causa seis milhões de euros, como havia sido noticiado antes.

"Os advogados de Strauss-Kahn desmentiram categoricamente [este valor] e parece-me que não eram os únicos que estavam na mesa de negociações. Vão arriscar-se a que os desmintam publicamente?", questionou o juiz.

O montante que Nafissatou Diallo recebeu do político francês veio juntar-se ao valor que obteve no processo por difamação contra o jornal "New York Post", que se referiu à empregada de hotel como prostituta.

Ao retirar a queixa, a empregada de hotel evitou que Strauss-Kahn enfrentasse um processo na justiça, complicado para o político socialista.

O jornal francês indicou que Nafissatou Diallo se mudou para uma residência luxuosa, com ginásio e piscina, em Westchester, onde o aluguer de um estúdio ronda os 3.000 euros.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG