BP paga multa histórica e funcionários são acusados

A petrolífera britânica BP, culpada pelas 11 mortes no acidente Deepwater Horizon, de 2010, irá pagar mais de 4,5 mil milhões de dólares (3,5 mil milhões de euros) de multa e dois funcionários foram acusados de homicídio involuntário.

Além de ter de pagar a maior multa da história dos Estados Unidos da América, incluindo indemnizações a organizações de ciencia e vida selvagem, a petrolífera foi acusada de mais 14 crimes e dois altos funcionários foram acusados de homicídio inovluntário e violação de uma lei de proteção ambiental e um ex-gerente foi acusado de mentir ao Congresso americano.

Após longas negociações com o governo dos Estados Unidos e com a Costa do Golfo, a BP confirmou o acordo com o Departamento de Justiça norte-americano e declarou-se culpada pelo desastre que vitimou 11 pessoas.A multa de 3.5 mil milhões de euros, inclui pagamentos à Fundação Nacional de Peixes e Animais Selvagens e à Academia Nacional de Ciências, durante cinco anos.

Este acordo pode ajudar a redimir a responsabilidade que a BP teve que assumir no desastre, o pior registado até hoje nos Estados Unidos. Ainda assim, a empresa enfrenta várias queixas de danos ambientais e económicos, algumas dos EUA, outras de países da Costa do Golfo e ainda queixas privadas, de pessoas que se viram prejudicadas pelo desastre, notícia o site do jornal britânico 'The Guardian'.

O Departamento de Justiça afirmou que a má gestão do poço Macondo constituía "uma grave negligência e uma má conduta", o que se iria tentar provar num julgamento civil, pendente, marcado para fevereiro do próximo ano, em Nova Orleães, Luisiana. O governo norte-americano ainda não apresentou qualquer acusação criminal no caso, notícia o 'The Guardian'.

O poço Macondo, na plataforma Deepwater Horizon, derramou cerca de cinco milhões de barris de petróleo no Golfo do México, durante um período de 87 dias, aquando da explosão em abril de 2010, informa o 'The Guardian'.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG