Portugueses preocupados com insegurança em Caracas

Comerciantes portugueses de vários bairros de Caracas manifestaram à agência Lusa a sua preocupação com a crescente insegurança nas ruas de Caracas, nomeadamente nas imediações do Centro Português.

"Estamos preocupados porque cada vez é maior a presença de motociclistas armados que circulam por estas zonas. A angústia começa quando se sai de casa, no caminho para o trabalho, no negócio, no regresso e até mesmo em casa", disse um comerciante que não quis ser identificado.

Vários outros comerciantes, também pedindo garantia de anonimato, explicaram à Lusa que, na terça-feira, foram obrigados a fechar as portas dos seus estabelecimentos com receio de serem assaltados, quando um grupo de 60 motociclistas apareceu na zona, parou os carros que circulavam e assaltou vários motoristas.

A polícia venezuelana confirmou que foram detidos pelo menos sete motociclistas, suspeitos de participarem no assalto de viaturas na localidade de Macaracuay, que ocorreu horas depois de o Governo venezuelano ter enviado 3.000 militares para as ruas de Caracas, no âmbito do novo programa "Plano Pátria Segura", de combate à insegurança no país.

Os motoristas de viaturas particulares e de transporte público queixam-se que frequentemente são assaltados por motociclistas que participam em cortejos fúnebres, que passam pela zona em direção ao cemitério de Macaracuay.

Segundo a imprensa venezuelana, os motociclistas partem os vidros e causam danos nas viaturas quando os motoristas se negam a entregar-lhes os telemóveis e outros objetos de valor, ameaçando disparar contra as vítimas.

O vicepresidente do Conselho Municipal de El Hatillo, Eduardo Battistini, apelou na quarta-feira ao Ministério do Interior e Justiça da Venezuela e às polícias de Sucre, Baruta e El Hatillo para intensificarem as ações de patrulhamento.

Pela segunda vez este mês, motoristas de cinco empresas de táxi paralisaram o trânsito na quarta-feira numa das áreas de acesso a Macaracuay, reclamando medidas de combate à insegurança, a reparação das estradas e a recolha efetiva de lixo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG