Palestinianos podem respeito pela "soberania muçulmana"

Um grupo de dignitários religiosos e de responsáveis políticos palestinianos pediu a Barack Obama que respeite "a soberania muçulmana" se decidir visitar o Monte do Templo, em Jerusalém, cidade que o presidente norte-americano visita no próximo mês.

Numa conferência de imprensa em Jerusalém Este, o xeque Ekrima Sabri, chefe do Alto Conselho Islâmico e antigo Grande Mufti de Jerusalém, frisou que Barack Obama não deverá entrar no Monte do Templo, que alberga a mesquita Al-Aqsa e o Domo da Rocha, por uma porta sob controlo israelita.

"Todo o visitante é bem-vindo à al-Aqsa, mas ele [Obama] deve seguir as regras ditadas pelo Waqf e entrar pela Porta dos Leões e não pela Porta dos Magrebinos [por onde entram os turistas, com controlo israelita], para que possa respeitar a soberania muçulmana", disse.

Ekrima Sabri afirmou ainda que a visita do presidente dos Estados Unidos "não deve servir de tema político, porque al-Aqsa pertence aos muçulmanos e é o seu lugar de culto", advertindo que os religiosos palestinianos recusam "que todos os responsáveis israelitas acompanhem o visitante".

O Monte do Templo é o terceiro lugar sagrado do islamismo, situado na parte oriental de Jerusalém, conquistada e anexada por Israel em 1967.

Barack Obama vai visitar Israel, Jordânia e Cisjordânia, mas a Casa Branca não anunciou as datas para a visita nem o itinerário, embora órgãos de Comunicação Social israelitas tenham apontado que a visita oficial do presidente norte-americano se inicia a 20 de março.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG