DSK consegue acordo com empregada de hotel

O ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn alcançou hoje um acordo confidencial para encerrar o processo civil aberto por uma empregada de um hotel de Nova Iorque que o acusou de violação, divulgou o juiz.

"Há cerca de 10 minutos, chegámos a um acordo", anunciou o juiz Douglas McKeon, no início da audiência no tribunal do Bronx, Nova Iorque, precisando que os termos do acordo são "confidenciais".

No passado dia 30 de novembro, o jornal "Le Monde" noticiou que o antigo diretor do FMI ia pagar "seis milhões de dólares" à empregada de hotel, Nafissatou Diallo, nos termos de um acordo amigável para evitar um processo judicial.

Os advogados de Strauss-Kahn desmentiram então a notícia e qualificaram de "fantasistas e erradas" as informações.

O diário "New York Times" noticiou, no mesmo dia, que Dominique Strauss-Kahn e Diallo tinham chegado a acordo para pôr fim a uma saga judicial de 18 meses.

Nafissatou Diallo, de 33 anos, apresentou uma queixa civil contra Strauss-Kahn a 08 de agosto de 2011. A empregada de limpeza acusou o ex-diretor do FMI de a ter obrigado a fazer sexo oral numa suite do hotel Sofitel, em Nova Iorque, a 14 de maio desse ano.

Dominique Strauss-Kahn, de 63 anos, admitiu ter mantido uma "relação sexual inapropriada" com Diallo, mas assegurou que foi consensual.

Uma queixa penal foi arquivada a 23 de agosto de 2011, depois de a acusação ter considerado haver dúvidas quanto à credibilidade da queixosa, devido a várias declarações falsas que fez sobre alguns aspetos da sua vida.

O caso obrigou Dominique Strauss-Kahn a demitir-se da chefia do FMI, a 18 de maio de 2011, e pôs fim às suas ambições presidenciais em França.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG