Começou em Cuba passagem de poder para nova geração

O Presidente Raúl Castro iniciou domingo um segundo e último mandato de cinco anos em que surge acompanhado por um novo número dois no Conselho de Estado, Miguel Diaz-Canel, de 52 anos, apontado como seu sucessor designado.

No seu primeiro discurso após ter sido votado para presidir ao Conselho de Estado, órgão máximo do poder em Cuba, Raúl Castro assegurou ter sido desencadeado um processo "de transferência ordenado e tranquilo do poder para as novas gerações".

Na sua intervenção, Raúl Castro deixou claro que a designação de um novo número dois, Miguel Diaz-Canel, de 52 anos, para aquele órgão, "representa um passo definitivo na definição da futura direção do país".

A transição geracional é "um processo que irá prosseguir neste quinquênio", deixando em suspenso se tenciona cumprir o mandato de cinco anos para que foi agora designado, ou se se retirará mais cedo, como deu a entender no final da passada semana, invocando a sua idade, 82 anos.Se permanecer em funções até 2018, Raúl terá então 87 anos.

Desde a sua chegada oficial ao poder, em 2008, o irmão de Fidel Castro estabeleceu como regra o limite de dois mandatos de cinco anos para os principais cargos de chefia no país.

A razão desta opção foi também abordado por Raúl na sua intervenção, dizendo que a "mudança de dirigentes deve ser um processo natural e sistemático" a decorrer de "maneira ininterrupta (...) para se evitar que se repita uma situação em que falta uma reserva de quadros bem preparados". Note-se que só no final dos anos 90 é que Fidel designou, de maneira oficial, o irmão como seu herdeiro.

Da primeira sessão dos 612 deputados da nova Assembleia, entre os quais Fidel Castro, e da sua votação para a escolha para os 31 membros do Conselho de Estado, resultou ainda a substituição da presidência da Assembleia que viu partir Ricardo Alarcon, de 75 anos, e consagrou como seu novo líder aquele que é considerado uma das principais figuras da ortodoxia do regime, o economista Esteban Lazo, de 69 anos.

A presença de Fidel na sessão foi interpretada como um sinal de aprovação às opções agora tomadas, notando-se que são raríssimas as suas aparições públicas em situações oficiais desde a passagem de testemunho a seu irmão.

Outro sinal da renovação do órgão máximo do regime cubano foi a eleição de Mercedes Lopez Acea, de 48 anos, principal dirigente do partido na região de Havana, confirmando assim rumores que davam como certa a escolha de uma nova figura feminina para o Conselho de Estado em paralelo com Gladys Bejarano, de 66 anos, tida como ortodoxa.

Diaz-Canel passou pela juventude do PC cubano, formou-se em engenharia eletrónica e desempenhou funções de direção em vários escalões do partido antes de entrar na comissão política em 2003. Ministro da Educação desde 2009, foi nomeado vice-presidente do Conselho de Ministros em 2012.

Mais Notícias