Dilma e Aécio trocam acusações no último debate antes da 2.ª volta

Os candidatos à presidência brasileira Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores, de centro-esquerda) e Aécio Neves (Partido da Social Democracia Brasileira, de centro-direita) trocaram acusações e provocações no debate desta noite.

O debate, organizado e transmitido pela TV Globo, foi o último antes do escrutínio da segunda volta, no domingo. Os candidatos responderam tanto a perguntas de eleitores indecisos, convidados para o programa, como a questões do adversário.

Na primeira pergunta do debate, Neves abordou a acusação feita pela revista Veja de que Rousseff e o ex-presidente Lula da Silva sabiam dos desvios de dinheiro feitos na Petrobras. A atual Presidente acusou a publicação de querer influenciar no resultado eleitoral, enquanto o social-democrata defendeu a investigação do caso.

As denúncias de corrupção contra o PT e o PSDB foram lembradas pelos candidatos em pelo menos duas outras ocasiões, com ironias e rispidez. Rousseff foi questionada sobre a prisão de membros do PT no escândalo conhecido como "mensalão" (esquema de compra de voto de parlamentares durante o governo de Lula da Silva), e evitou posicionar-se - a Presidente costuma dizer que não se manifesta sobre decisões do Supremo Tribunal Federal.

Em alternativa, Dilma Rousseff citou o episódio conhecido como "mensalão tucano" (de corrupção no governo do PSDB em Minas Gerais) e denúncias de desvio de dinheiro no metro de São Paulo, que nunca foram julgadas.

A falta de água em São Paulo foi citada por Rousseff, e a responsabilidade pela má gestão do recurso foi atribuída por ela ao governo do Estado, ocupado pelo PSDB. Neves rebateu e culpou a falta de parcerias com o governo federal do PT pela situação.

A Presidente ironizou, ao afirmar que o partido do oponente iria criar o programa social "Meu banho, minha vida", referindo-se ao nome da sua estratégia para a área da habitação popular, o "Minha casa, minha vida".

Os candidatos também abordaram propostas para as áreas da economia, programas sociais, educação, segurança, bancos públicos, saneamento básico, financiamento de campanha e previdência social.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG