Primark vai criar novo programa de apoio a vítimas de derrocada

A empresa irlandesa de roupa 'low-cost' Primark anunciou hoje que está a criar novas medidas de apoio aos trabalhadores da marca vítimas da derrocada da fábrica de têxteis no Bangladesh, que provocou 1.127 mortos.

Segundo o comunicado que está a circular nas redes socias, a marca irlandesa vai criar um "programa de reabilitação médica e profissional, gerido por Organizações Não Governamentais (ONG) locais e internacionais".

Este programa, sobre o qual a Primark vai dar mais pormenores nas próximas semanas, surge no âmbito das medidas de ajuda criadas aquando da derrocada.

A lista de trabalhadores da empresa, vítimas do desastre, ainda não está disponível "porque os registos de trabalhadores destruíram-se com a derrocada", mas a Primark garante que vai iniciar a implementação das medidas de apoio assim que estes registos estiverem completos.

A empresa tem vindo a contactar com os sindicatos e as associações de comércio e estabeleceu um acordo para o pagamento de indemnizações, "baseado nas normas internacionais de seguros e de direito laboral", refere o mesmo comunicado.

A ajuda às vítimas também tem sido realizada através da distribuição de alimentos, que está a ser feita a 750 residências por semana, valor que a empresa pretende aumentar para 1.000.

A Primark, pertencente ao grupo Associated British Food, admite não falar em nome das outras empresas que tinham fábricas no edifício -- como o El Corte Inglés, Benetton ou Mango, que tinha pedido provas naquelas imediações --, mas afirma que vai cumprir o compromisso de compensar as vítimas, ação que "durará o tempo necessário".

O Bangladesh é o segundo maior produtor de roupa do mundo, sendo a indústria têxtil a base da economia do país. As autoridades anunciaram hoje que as operações de resgate nos escombros do edifício terminarão na terça-feira.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG