Membros da tripulação detidos após colisão de navios

Seis membros da tripulação dos dois barcos que colidiram foram presos pela polícia, que tenta apurar responsabilidades no acidente. Até ao momento, 37 pessoas morreram e o inúmeras estão desaparecidas.

"A polícia prendeu seis indivíduos. Estão a ser investigados por colocar vidas humanas em perigo", disse o ministro da Segurança Lai Tung-Kwok.

Mais de 120 passageiros e tripulantes estavam na embarcação da Companhia de Eletricidade de Hong Kong, na maioria funcionários da empresa e familiares, para assistir aos fogos de artifício que celebravam o dia da República popular da China, da qual Hong Kong é uma região administrativa especial. O navio colidiu com um 'ferry-boat' que assegura a carreira regular para a ilha de Lamma. Dezenas de pessoas foram atiradas para a água, enquanto o barco de recriação afundava, apenas minutos após o impacto.

O Governo confirmou a morte de 37 pessoas - 32 adultos e cinco crianças, todos da embarcação de recreio. Mais de 100 pessoas ficaram feridas e o número de desaparecidos ainda não é conhecido. Também ainda não foram encontrados sobreviventes, no entanto as buscas prosseguem pelo dia de hoje.

A polícia deteve três membros da tripulação de cada um dos barcos envolvidos no acidente. Tsang Wai-hung, chefe da polícia, disse ainda que os suspeitos eram responsáveis pelo controle dos barcos. "Até agora, suspeitamos que a tripulação não tomou os cuidados necessários pela lei para garantir a segurança dos barcos em que navegavam, bem como das pessoas que iam a bordo".

Leung prometeu um inquérito de alto nível sobre o incidente, mas rejeitou sugestões de que iria prejudicar a reputação de Hong Kong como um centro de comércio marítimo mundial. "Este é definitivamente um incidente isolado. O território marinho de Hong Kong é seguro", acrescentou.

O novo chefe do Executivo, cujo mandato começou debaixo de escândalos e de protestos contra políticas impopulares, ordenou três dias de luto, a começar na quinta-feira. "Expressamos a nossa profunda preocupação com as vítimas e famílias", disse Leung.

Mais Notícias