Aterragem de emergência de um Boeing 787 no Japão

Companhias aéreas japonesas deixam em terra os seus aparelhos, depois de uma aterragem de emergência no aeroporto de Takamatsu, devido a fumo na cabine. Vários passageiros ficaram feridos quando saíam do avião.

Várias pessoas ficaram hoje ligeiramente feridas durante a sua retirada do avião Boeing 787 da All Nippon Airways (ANA) após uma aterragem de emergência devido a um problema numa bateria da aeronave, informou a polícia.

"Fomos informados que várias pessoas ficaram ligeiramente feridas" durante a sua saída do avião, disse um porta-voz da polícia de Kagawa, que cobre a região de Takamatsu onde o avião foi forçado a aterrar de emergência.

O Boeing 787 da ANA realizava hoje um voo doméstico no Japão, com 129 passageiros e oito membros da tripulação a bordo, quando foi detetado fumo na cabine cerca de meia hora depois de ter descolado e que obrigou a uma aterragem de emergência no aeroporto de Takamatsu, no sul do país.

O piloto e as autoridades aeroportuárias confirmaram ter sido detetado um problema numa das baterias do avião.

A ANA e a Japan Airlines (JAL) decidiram hoje suspender as operações dos seus 24 Boeing 787 na sequência do incidente para serem realizadas inspeções.

A norte-americana Boeing garantiu que irá cooperar com as autoridades e com a ANA na sequência deste novo incidente com um dos seus aparelhos.

Esta foi a sexta avaria registada num Boeing 787 desde 07 de janeiro e a primeira dessas seis - que envolveram aparelhos das companhias japonesas ANA e JAL, as principais compradoras desse modelo - que obrigou a uma aterragem de emergência.

Estas avarias levaram o Departamento Federal de Transporte dos Estados Unidos a ordenar, na sexta-feira, uma "inspeção a fundo" do modelo e o Japão fez o mesmo na segunda-feira, mas a Boeing insiste que tem "total confiança" no seu avião.

Encontram-se em operação em todo o mundo 49 Boeing 787 de oito companhias. O primeiro aparelho foi entregue há 15 meses.

A Boeing tem mais de 800 Dreamliners encomendados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG