"Ao início pensávamos que era uma avalanche"

Sandrine Boisse, que trabalha no gabinete de turismo de Pra Loup, uma estância de esqui próximo do local da queda do avião da Germanwings, contou à BBC o que ouviu.

"Ouvimos um barulho estranho e ao início pensámos que era uma avalanche, mas não era o mesmo barulho", contou Sandrine à BBC News, dizendo que as autoridades confirmaram rapidamente que tinha caído um avião.

"É uma zona de difícil acesso, porque há muita neve", acrescenta a responsável pelo gabinete de turismo de Pra Loup, dizendo como vários dirigentes políticos, entre eles a ministra dos Transportes, Ségolène Royal, estão a caminho do local. "Toda a gente está pronta, mas sabemos que é difícil lá chegar", indicou, em referência aos bombeiros e hospitais da região.

Sandrine Boisse revela ainda que há muitas nuvens no local, com as previsões a indicarem que amahã haverá mais queda de neve, e que será difícil lá chegar de helicóptero, até porque há também risco de avalanches. A testemunha acredita que serão precisas caminhadas de três horas para chegar ao local do acidente. E revela que, segundo as indicações dadas por um dos helicópteros que sobrevoou a área, há pedaços de avião espalhados por uma área de dois quilómetros na montanha.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG