Homossexualidade no Uganda foi suscitada por "grupos ocidentais"

O presidente do Uganda, Yoweri Museveni, disse hoje que a homossexualidade no país foi suscitada por "grupos ocidentais" e que o sexo oral transmite vermes, após ter promulgado uma lei que endurece as punições contra os homossexuais.

A homossexualidade no Uganda "é provocada por grupos ocidentais arrogantes e inconscientes" que vieram às escolas do país "recrutar homossexuais, converter à homossexualidade e ao lesbianismo", declarou Museveni.

Os atos homossexuais já eram ilegais no Uganda, mas em dezembro de 2013, o parlamento aprovou a nova lei que alterou a prevista pena de morte para prisão perpétua para o crime de "homossexualidade agravada".

A lei aprovada hoje pelo Presidente inclui pela primeira vez as lésbicas, proíbe a promoção da homossexualidade e exige que os homossexuais sejam denunciados, tendo sido muito criticada por governos ocidentais e organizações de defesa dos direitos humanos.

Falando à imprensa após ter promulgado a lei, o presidente ugandês considerou que não se é "homossexual por natureza (...), mas por escolha".

Escolha que, segundo Museveni, é muitas vezes ditada pelo dinheiro, sendo numerosos homossexuais "na verdade mercenários". "São heterossexuais que se dizem homossexuais por dinheiro", adiantou.

O presidente do Uganda disse ainda que, além da homossexualidade, o Ocidente também exporta práticas perigosas como a felação e o sexo oral em geral, que "não é saudável" e é fonte de doenças sexualmente transmissíveis.

"A boca serve para comer, não para o sexo. Sabemos qual é a morada do sexo. Essa morada (a boca) não é para o sexo", referiu Museveni, adiantando: "Vocês põem a boca lá e podem ficar com vermes e eles entram no vosso estômago, porque é a morada errada".

Museveni assegurou ainda não estar preocupado com as consequências da lei para as relações internacionais do Uganda.

Há uma semana, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu o seu homólogo ugandês de que as relações entre os dois países podiam piorar se este aprovasse a lei "anti-gay".

Como um dos maiores doadores estrangeiros, os Estados Unidos têm dado nos últimos anos ao Uganda mais de 400 milhões de dólares (291 milhões de euros) por ano.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG