EDP quer ter 40 mil pontos de carregamento até 2025

Objetivo é extensível a Espanha e Brasil. Em Portugal avançam parcerias com Intermarché, McDonald's, Benfica, Brisa e gasolineiras, para chegar aos mil postos, revela Vera Pinto Pereira.

Estamos a viver uma aceleração sem precedentes na mobilidade elétrica", considera a CEO da EDP Comercial, Vera Pinto Pereira, em entrevista a marcar o arranque da 4ª edição do Portugal Mobi Summit. E se é verdade que essa tendência já era evidente antes da pandemia, agora está a ser reforçada pela maior consciencialização ambiental trazida pela nova era, mas também pela percepção de maior segurança oferecida pelo carro individual, face aos transportes públicos, num clima em que ainda paira uma elevada incerteza sanitária, sublinha a gestora.

As últimas estatísticas nas vendas de automóveis, mencionadas por Vera Pinto Pereira, indicam isso mesmo, já que a quota de mercado dos veículos elétricos no total das novas vendas passou de 5% para 16%, fazendo de Portugal um dos países da UE com a maior progressão nesta matéria. E, por outro lado, os indicadores apontam para que os carros elétricos sejam os que vão ganhar mais terreno na mobilida pós-pandemia. O consumo de energia na rede de carregamento público é disso um perfeito retrato, como apontou a gestora: "em março aumentou 8% face à quarentena anterior e 16% face a fevereiro".

É neste quadro de superação das expetativas no crescimento do mercado que a EDP Comercial está também a acelerar o seu ritmo de investimento no alargamento da rede de carregamento para veículos elétricos, sendo "o operador que mais aumentou o investimento na infraestrutura pública no último ano", afiança. No último ano, e durante a pandemia, a empresa cresceu mais de quatro vezes nos pontos de carregamento contratados.

Expansão é a nível global

"Tínhamos o objetivo para 2021 de chegar aos mil pontos e carregamento contratados. À data de hoje já temos mais de 900 contratados e 500 operacionais", disse, enquanto outros estão em processo de licenciamento.

Aquela estimativa resume-se ao mercado nacional, sendo que se forem contabilizados os projetos de alargamento de rede no estrangeiro, nomeadamente em Espanha e no Brasil, onde a empresa está em forte expansão, a previsão é de chegar a 2025 com 40 mil pontos de carregamento contratados, avançou a executiva.

Para a expansão da rede, a EDP tem apostado em parcerias com empresas "de elevada capilaridade". A mais recente parceria foi celebrada com a cadeia de supermercados Intermarché, com a qual a operadora de energia acaba de contratar a instalação de 80 pontos de carregamento de norte a sul do país, anunciou a presidente executiva. "É uma forma de aumentar a cobertura geográfica da rede, garantindo um modelo de negócio onde as melhores localizações compensam as que não são tão boas", explicou. No âmbito desta parceria, que é desenvolvida diretamente pelos diversos franchisados do Intermarché, já se encontram em operação dezoito pontos de carregamento nos estabelecimentos de Serpa, Oliveira de Azeméis, Melgaço, Alcobaça e Torres Vedras.

A mesma lógica de diversificação geográfica justificou também a parceria com a cadeia de restaurantes McDonald's, anunciada muito recentemente, que permitirá a instalação de 150 pontos de carregamento em 75 localizações daquela cadeia em todo o território, nomeadamente fora dos grandes centros urbanos, no litoral, Interior e Ilhas. Esta é uma das maiores parcerias celebradas até ao momento e vai permitir a instalação de 100 pontos de carregamento rápido até ao fim do ano.

No mesmo sentido a EDP decidiu aumentar de 34 para 48 os pontos de carregamento rápidos e ultrarrápidos previstos para as estações de serviço da BP e da Repsol, com quem a operadora tem uma tradição de cooperação mais antiga, nas autoestradas concessionadas pela Brisa. Na semana passada inaugurou, de resto, o primeiro posto de carregamento ultrarrápido na A-1, mais concretamente, na área de serviço de Santarém.

Para corresponder à alta deste mercado e ao reconhecido défice da rede existente para a procura, a EDP decidiu também intensificar a sua presença nas instalações do Benfica. O Estádio da Luz, em Lisboa, vai ter um hub de carregamento de veículos elétricos. Mas aos 20 pontos que estavam contratados serão adicionados outros cinco, no parque exterior junto à Estátua do Eusébio. No seu conjunto, o hub do Benfica vai contar com pontos de carregamento ultrarrápidos (1), rápidos (2) e quatro normais, numa zona estratégica da área metropolitana de Lisboa.

Soluções para condomínios crescem 60%

Porque caminhamos mais rápido que o previsto para uma maissificação da mobilidade elétrica, estando já "muito perto de atingirmos a paridade de custo" entre um veículo a combustão e um veículo elétrico, Vera Pinto Pereira sublinha que a abordagem deste mercado tem de obdecer a uma visão holística, oferecendo ao condutor um serviço conjunto tanto em casa, como no trabalho ou na via pública".

É por isso que a companhia se foca cada vez mais nas soluções de carregamento doméstico ou de condomínios de escritórios, com soluções como a Ev.Charge, que permitem individualizar os consumos de energia de cada condómino e reorientar a cobrança para o utilizador certo. E porque dois em cada três novos veículos elétricos pertencem a empresas, a EDP tem igualmente investido em tecnologia que facilita a gestão das frotas empresariais.

No primeiro trimestre deste ano, estas soluções para os condomínios registaram um crescimento de 60% nas vendas, revelou Vera Pinto Pereira.

E cada vez há mais utilizadores em circulação, pois só a EDP tem já 27 mil cartões emitidos para carregamento de veículos elétricos.

Veja tudo sobre mobilidade e o Portugal Mobi Summit em www.portugalms.com

Mais Notícias

Outras Notícias GMG