portugueses

Mário Pinto

O nó górdio português

Perante as notícias divulgadas pela comunicação, podemos dividir tradicionalmente a opinião dos portugueses em três partes, aqueles que estão de acordo com a visão catastrófica de muitos jornalistas, aqueles que perante a iminente catástrofe pensam numa reação ativa global à crise, e aqueles que pensam numa planificação proativa da saúde centrada no SNS. Será prudente pensar que todos têm razão. E têm razão porque perante a complexidade e a imprevisibilidade da catástrofe que é esta pandemia, as soluções devem ser admitidas tendo em conta a complexidade da resposta planeada com objetivos e estratégia adequados. A solução governativa usada para fazer face às alterações observadas na reorganização da task force do Plano de Vacinação contra a Covid-19 é disso um bom exemplo.