Carlos

Carlos Coelho

Carlos do Fado. Uma marca que canta Portugal nunca morre

O homem começou por ter instintos; quando evoluiu passou a ter sensações; e, quando se apurou, passou a ter sentimentos. O sentimento é aquilo que nos comove, mas é, sobretudo, aquilo que nos move, é o poder criador e edificador. Nós, portugueses, somos de sentimentos. Somos afetivos, apaixonados, românticos, e o nosso verdadeiro fado não é fatalismo, não é o conformismo, não é o destino que nos está traçado. O fado é a luta e não a espera de que a sorte nos aconteça.