Conselho Europeu

Joana Amaral Dias

Portugal vestiu a camisola

A camisola poveira tem mais mais de 150 anos e está, há meses, em processo de certificação. Feita de lã branca da serra da Estrela e decorada a ponto de cruz a preto e vermelho, com vários motivos de inspiração minhota - remos, boias, caranguejos e até as armas da coroa -, é uma peça bem expressiva da nossa identidade. Ora, Tory Burch (mais comercial que criadora) copiou-a, erguendo assim um imenso amor à pátria, adicionalmente espicaçado pelo facto de identificar a indumentária como mexicana, vendê-la por 700 euros, imitar as peças do Bordallo e ainda posicionar a sua marca como politicamente correta, socialmente responsável ou inclusiva (marketing muito em voga).

Opinião

Prioridades para as pessoas

O propósito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (PPUE), que se inicia a 1 de janeiro, está bem expresso no lema "Tempo de agir: por uma recuperação justa, verde e digital". A PPUE prosseguirá, assim, três grandes prioridades: favorecer a recuperação económica e a transição verde e digital; fortalecer a dimensão social da construção europeia; reforçar a autonomia de uma Europa aberta ao mundo. E decliná-las-á em cinco linhas de ação: a Europa resiliente (na economia e nas instituições democráticas), a Europa verde, a Europa digital e a Europa global.