Os bebés que estão por abraçar por causa do fecho de fronteiras
Exclusivo

Barrigas de aluguer

Os bebés que estão por abraçar por causa do fecho de fronteiras

Há crianças que nasceram no início da pandemia e os pais ainda não puderam vê-las, pegar-lhes ao colo. A covid-19 veio mostrar outro drama daqueles que tiveram de recorrer à gestação de substituição para concretizar o sonho da paternidade.

O tema aparece em títulos de jornais para dar notícias de pessoas felizes: "Kim Kardashian e Kanye West vão ter outro filho por barriga de aluguer", "Jimmy Fallon e a mulher dão as boas-vindas à segunda filha por barriga de aluguer", "Cristiano Ronaldo voltou a recorrer a uma barriga de aluguer" e, há menos de uma semana, "Paula Amorim recorre a barriga de aluguer para ser mãe aos 49 anos". Nos últimos dias o nascimento de bebés por gestação de substituição - o nome correto para quem gera o filho de outras pessoas, até porque muitos consideram a expressão "barriga de aluguer" ofensiva da dignidade da mulher - voltou a ser notícia, mas não para anunciar o nascimento de rebentos dos famosos - a pandemia de covid-19 pôs a descoberto o drama dos pais que recorrem a este método para concretizar o sonho de ter um filho. As medidas de contenção do novo coronavírus, que levaram ao encerramento de fronteiras por todo o mundo, têm impedido estes pais de entrar nos países onde os seus filhos estão a nascer - já há crianças com mais de dois meses que nunca foram pegadas ao colo pelos pais, que não sentiram o seu cheiro, que nunca sentiram as suas carícias no banho. A pandemia causa mortes, traz tristeza e adia felicidades.

As campainhas soaram com a divulgação de um vídeo da BioTexCom, uma agência internacional que se apresenta como centro de reprodução humana, que angaria clientes em todo o mundo e opera na Ucrânia, um dos países que permitem a prática da gestação de substituição e apresenta preços mais acessíveis, a rondar os 30-40 mil euros. No vídeo, que não deixa de funcionar como uma forma de pressão para as autoridades resolverem o problema, a clínica mostra uma sala imaculada com 46 bebés. É um apelo ao sentimento. Pela ternura que os bebés, enroladinhos em mantinhas coloridas, despertam; pela compaixão de os ouvir a chorar e não terem os pais por perto para os aninhar nos braços.

Mais Notícias