Bernardo Silva, o fiel escudeiro das ideias de Guardiola

O médio tem recebido muitos elogios do treinador pela sua inteligência e pela versatilidade. A forma como se destacou numa equipa de estrelas está a impressionar toda a gente.

O Manchester City é Bernardo Silva e mais dez. A expressão usada por Guardiola pode parecer exagerada, mas adequa-se àquilo que têm sido os elogios do treinador catalão, que fala do internacional português como sendo "mais inteligente do que os outros" grandes jogadores que tem no plantel, sobretudo porque "pode jogar em três, quatro ou cinco posições diferentes no campo". A admiração é tanta que já deixou a certeza de que pretende ter Bernardo no City enquanto se mantiver no comando da equipa.

A importância crescente de Bernardo Silva na equipa campeã da Premier League é mesmo uma realidade. Na temporada passada, o médio de 24 anos jogava quase sempre como extremo-direito, mas esta época o seu papel na equipa mudou, atuando mais em posições interiores que fazem dele um dos responsáveis pela construção de jogo dos citizens. Um estatuto que lhe permitiu ser um dos titulares indiscutíveis de Guardiola, contabilizando 14 jogos na equipa inicial num total de 18 oficiais realizados até ao momento - contribuiu com três golos e outras tantas assistências.

João Tralhão, treinador que participou no processo de formação de Bernardo Silva no Benfica, não se mostra surpreendido com a importância que o internacional português tem assumido na equipa que atualmente lidera a Premier League. "Não estou nada surpreendido com a importância que ele adquiriu, pois sempre pensei que o modelo de jogo de Guardiola é o que mais se adequa às suas características, pois é um jogador que gosta de ter a bola no pé e ser protagonista", começou por destacar o atual adjunto de Thierry Henry no Mónaco. Uma ideia partilhada por Scott Minto, antigo jogador do Benfica e atual comentador da estação televisiva Sky Sports: "Ele tem as características ideais para a forma de jogar do City."

O antigo defesa-esquerdo britânico está convencido de que não foi à toa que no verão de 2017 Guardiola decidiu avançar para a contratação de Bernardo Silva por 40 milhões de euros. "Há equipas na Premier League, como o Manchester United e o Chelsea, que gastam muito dinheiro em reforços que depois demoram a afirmar-se. O Guardiola também quer sempre os melhores do mundo, gasta muito dinheiro, mas escolhe aqueles que se adaptam à forma de jogar das suas equipas, também foi assim no Barcelona e no Bayern Munique", destaca, assegurando que "além da qualidade técnica", o internacional português "também é inteligente na forma de pensar e ler o jogo". "Não há muitos jogadores tão inteligentes como ele e neste ano já está a mostrar melhor aquilo que de bom pode fazer e o que pode dar à equipa", sublinha.

Sucessor do outro Silva do City

João Tralhão justifica a aposta de Guardiola em Bernardo Silva por se tratar de um tipo de futebolista que "pensa o futebol da equipa e controla os ritmos, acelerando ou abrandando consoante aquilo que o jogo pede". E é isso que leva Simon Bajkowski, jornalista do Manchester Evening News, a garantir que o português tem sido "um dos melhores jogadores do City nesta época".

O repórter que acompanha de perto o dia-a-dia do Manchester City está convicto de que Guardiola há muito tempo que tinha "grandes planos" para Bernardo em relação a esta época. "Só assim se explica que ele tenha sido o único jogador que esteve no Mundial 2018 a quem o treinador pediu para integrar os trabalhos da equipa mais cedo, na digressão de pré-temporada nos Estados Unidos", acrescentou.

E esses planos passaram por colocá-lo como médio-centro e torná-lo uma espécie de fiel escudeiro das suas ideias. "A lesão de De Bruyne abriu uma vaga no meio-campo, onde passou a jogar Bernardo Silva. Acho mesmo que é aí que ele terá futuro no City, como sucessor de David Silva", sublinha Simon Bajkowski, antevendo já a progressiva saída do onze do espanhol de 32 anos.

Se na época passada Bernardo Silva jogava mais como ala direito é porque, segundo Scott Minto, "viveu uma fase de transição e adaptação", pois tinha acabado de chegar do Mónaco. João Tralhão lembra que "o futebol inglês é mais exigente fisicamente porque há muitos duelos e isso dificulta a adaptação". Nesse sentido, está convencido de que "Guardiola tentou protegê-lo do contacto físico intenso na zona central do terreno, derivando-o para as alas, onde não há tanto contacto e a perda da bola não é tão perigosa para a equipa". Ou seja, a mudança deu-se após ter consolidado o processo de adaptação e integração num tipo de jogo diferente. "Poucos como ele interpretam tão bem as ideias do treinador", frisa o ex-técnico dos juniores do Benfica.

"É no centro de terreno onde ele pode ser mais importante para a equipa, pois nas alas o City tem Raheem Sterling e Leroy Sané, que dão à equipa ritmo e características mais próprias de extremos desequilibradores", frisa Simon Bajkowski, acrescentando que "Bernardo tem desvantagem no aspeto físico, mas lê e antecipa tão bem os lances que encontra sempre espaço para atacar". "Além disso, é tão inteligente que transforma as suas fraquezas em forças", garante o jornalista inglês.

Admirado no Mónaco e em Inglaterra

Mas não é só pelos aspetos táticos que Bernardo se tem destacado em Inglaterra. Uma das características que João Tralhão destaca no número 20 do Manchester City é "a alegria com que encara o futebol", algo que já acontecia nos escalões de formação.

E terá sido isso que na opinião de Bajkowski contribuiu para que tivesse conquistado a admiração do treinador. "Foi na época passada que Guardiola começou a elogiar Bernardo Silva pelo compromisso e a atitude que mostrava quando jogava menos. O Pep aprecia aqueles jogadores que se mantêm positivos, motivados e preparados para aproveitar as oportunidades quando entram em campo. E foi isso que Bernardo trouxe para a equipa", explicou, admitindo que este fator contribuiu para a admiração e confiança que o técnico tem pelo português.

O repórter do Manchester Evening News garante que o português é "extremamente popular" e daqueles futebolistas que "pela forma como trata a bola será sempre amado pelos adeptos ingleses, que valorizam muito a sua capacidade para fazer coisas que os outros não conseguem". Mas a popularidade de Bernardo vai para além da relação com os adeptos pois, segundo Bajkowski, "tem muita importância no balneário, participando em muitas brincadeiras e na boa disposição do grupo". E isso é algo que tem sido fomentado pelo próprio Manchester City com vídeos nas redes sociais. "Por exemplo, recentemente, alguns colegas brincaram com ele por causa da forma como se veste e ele leva tudo na brincadeira, mostrando estar feliz no clube", revela.

Já no Mónaco, para onde se transferiu em 2014 depois de nunca ter sido aposta no Benfica de Jorge Jesus, Bernardo deixou a sua marca, conforme já testemunhou João Tralhão, apesar de estar há poucas semanas no clube francês. "Chegou aqui como um desconhecido, vindo da equipa B do Benfica, mas aos poucos as pessoas começaram a ter um grande carinho por ele e hoje é considerado um menino querido da casa. Quando falo dele, percebo que continua a ser uma referência no Mónaco, afinal foi aqui que fez uma transição incrível de jogador promissor para o alto nível", assumiu o treinador adjunto dos monegascos, que viu crescer aquele que um dia Fernando Chalana apelidou de "Messizinho do Seixal". "Era uma delícia vê-lo jogar nas camadas jovens, sabíamos que dele saíam sempre coisas diferentes", sublinha.

Tralhão lembra que dos muitos jovens que lhe passaram pelas mãos, "Bernardo Silva pertencia ao grupo dos futebolistas mais completos" formados pelo Benfica. Em Inglaterra já ninguém é indiferente ao talento do internacional português e Scott Minto destaca que "numa equipa com tantas estrelas como o Manchester City, o futebolista português conseguiu aos poucos tornar-se uma delas, sendo já admirado por todos os que gostam de futebol".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG