Rio pondera Ricardo Baptista Leite para a corrida à Câmara de Sintra

O nome do deputado social-democrata, que também é vice-presidente do partido, está em cima da mesa para uma das maiores autarquias da Área Metropolitana de Lisboa.

Rui Rio continua à procura de jogar forte e com grandes trunfos nas eleições autárquicas previstas para outubro. Depois de ter avançado com o nome do antigo comissário europeu Carlos Moedas à Câmara de Lisboa, pondera agora colocar na corrida à de Sintra um dos membros do núcleo duro do partido: Ricardo Baptista Leite.

O DN apurou que o PSD fará um estudo de opinião no concelho para testar a capacidade do deputado e vice-presidente do partido de mobilização do eleitorado contra o recandidato Basílio Horta, que vai liderar a lista do PS.

Caso se concretize a candidatura de Ricardo Baptista Leite, o DN sabe que o CDS abre a porta a uma coligação com os sociais-democratas, coisa que não acontecerá, garantiram fontes centristas, caso o candidato venha a ser Marco Almeida, que foi cabeça de lista do PSD nas autárquicas de 2017, depois de nas de 2013 ter avançado com uma candidatura independente em rota de colisão com a direção de Pedro Passos Coelho. Nessas eleições ficou à frente da lista social-democrata e a muito pouca distância da do PS.

As reticências ao nome de Marco Almeida, que conta com o apoio da distrital de Lisboa do PSD, liderada por Ângelo Pereira, derivam de divisões na concelhia de Sintra do PSD e que se revelaram um problema para a direção nacional do partido.

Ricardo Baptista Leite é uma "figura consensual", garantiram ao DN fontes sociais-democratas, tanto mais que o deputado, que é médico, tem assumido um papel muito destacado durante toda a pandemia.

CDS gosta do nome

Fontes do CDS, que sublinham ter "um peso político" no concelho de Sintra , admitem que este seria um nome capaz de "unir" os dois partidos no combate autárquico nas eleições deste ano. O facto de rejeitarem a mesma solução no caso do candidato vir a ser Marco Almeida, e depois de em 2017 os dois partidos também terem ido de braço dado às autárquicas, é explicado por essa coligação "ter sido imposta" pela então direção de Assunção Cristas às estruturas locais do partido, que agora querem ter uma palavra a dizer no processo.

O DN apurou também que Ricardo Baptista Leite chegou a ser equacionado para a Câmara da Amadora e, no ano passado, até se falou do seu nome como potencial cabeça de lista à Câmara de Lisboa.

Na altura, e questionado pelo DN sobre essa possibilidade, o também deputado municipal em Cascais - terra em que presta voluntariado aos fins de semana no Hospital Dr. José de Almeida - respondia: "Com toda a honestidade, neste momento há dias em que acordo a meio da noite e fico angustiado com a crise sanitária e o cataclismo social que está a acontecer. O foco absoluto é o de tentar encontrar soluções para estes problemas."

Se a candidatura se vier agora a concretizar - o que deverá saber-se na próxima semana, já que o PSD quer ter o processo de escolha de candidatos finalizado até 31 de março -, é porque entendeu que o desafio lançado por Rui Rio chegou num momento em que já há respostas mais robustas no combate à pandemia. Nomeadamente o processo de vacinação.

A Câmara de Sintra é um desafio grande para o PSD, que em 2017, em coligação CDS, PPM e MPT, conseguiu 29,01% dos votos, contra os 43,05% da lista do PS, encabeçada por Basílio, ou seja, ficou aquém da maioria absoluta.

Porto ainda em aberto

Tal como em Sintra, o PSD ainda não revelou todos os cabeças de lista do partido, com maior destaque para o Porto, onde se fala do nome de Vladimiro Feliz, antigo vice-presidente de Rio na autarquia, para defrontar Rui Moreira.

Na primeira leva de nomes, no início deste mês, o PSD apresentou 23 novos candidatos autárquicos e confirmou 77 outros, que são recandidatos, como é o caso de Carlos Carreiras (Cascais), Salvador Malheiro (Ovar), Ribau Esteves (Aveiro), Almeida Henriques (Viseu) e Ricardo Rio (Braga).

Entre outros nomes apresentados está os de Nuno Matias (Almada), os ex-deputados Bruno Vitorino (Barreiro) e Paulo Ribeiro (Palmela), Luís Santos (Santiago do Cacém), Álvaro Coimbra (Penacova), Nelson Batista, atual presidente da Junta de Freguesia de Lousa (Loures), Rui Corça, vereador (Azambuja), Jorge Costa (Moimenta da Beira) e João Valério, que é independente (Oliveira de Frades).

Num segundo momento, e já depois de ter anunciado de forma isolada o nome de Carlos Moedas para Lisboa, Rui Rio apresentou em Coimbra mais 51 candidatos às eleições locais, ou seja, ficaram conhecidos 153 nomes de cabeças de lista do partido. Um dos nomes destacados foi o de José Manuel Silva, ex-bastonário da Ordem dos Médicos, que vai concorrer contra o socialista Manuel Machado em Coimbra.

paulasa@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG