Premium "O povo tem andado de lá para cá e de cá para lá, correndo atrás da própria vida"

Luiz Fernando Lisboa, bispo de Pemba, vive os dramas da população de Cabo Delgado, no norte de Moçambique: fome, terrorismo, tempestades e pandemias. Lança o grito de alerta à comunidade Internacional, para quebrar de vez o silêncio.

O missionário passionista Luiz Fernando Lisboa foi nomeado bispo de Pemba, capital de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, em 2013. Pertence à Congregação Paixão de Cristo que o levou para o país em 2001. Em outubro de 2017, iniciaram-se os ataques reclamados pelo Estado islâmico, tornando a província ainda mais pobre. Com mais de 200 mil deslocados e mil mortos. No ano passado foram atingidos pelo ciclone Kenneth, este ano pela pandemia de covid-19, num país com um sistema de saúde deficitário e a braços com a cólera. Situações que agravam a crise humana que vivem e que levam o bispo a gritar por socorro. Tem 64 anos e foi ordenado padre aos 27.

Tem denunciado os ataques em Cabo Delgado mas, desta vez, tornou pública uma carta, foi numa situação de desespero?
Sim. Desde o início dos ataques em Cabo Delgado, no início de outubro de 2017, que há uma certa lei do silêncio, tanto a nível interno como externo. Houve um certo desconhecimento do que se estava a passar e ficámos isolados. Esse grito de socorro surge para que olhem para a situação de Cabo Delgado, para que vejam o sofrimento do povo, para que tomem decisões e apresentem soluções para que esta situação acabe.

Ler mais

Mais Notícias