Exclusivo Eurogrupo: Apoios à economia não devem ser retirados de forma prematura

Grupo do euro alivia pressão sobre Leão. Mas só no melhor cenário, a partir de junho ou julho, é que as verbas a fundo perdido para apoiar a retoma são desbloqueadas, deixou perceber o comissário da Economia, no final da reunião dos ministros das Finanças do euro.

As medidas de apoio à economia que vão ser amplamente financiadas pelos fundos europeus não devem ser retiradas de forma prematura, mesmo no caso dos países com maiores desequilíbrios, como Portugal e outros mais dependentes do turismo e das viagens, assinalou ontem o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, no final da primeira reunião do Eurogrupo em 2021, o conselho que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

O debate de ontem, conduzido em modo de videoconferência, centrou-se sobretudo nos planos de recuperação e resiliência, que são as propostas dos governos de cada país para gastar as verbas europeias ao longo dos próximos anos. São "investimentos" e "reformas estruturais", disse o comissário de origem italiana.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG