Exclusivo Magano: eles cantam modas alentejanas com um sabor a jazz e uma pitada de fado

Novo disco mostra o cante alentejano interpretado por um jovem trio com formações musicais distintas.

Sofia Ramos tem 28 anos e canta fado, o irmão, Nuno Ramos, tem 34 anos, toca viola e gosta mais de cante alentejano, o amigo Francisco Brito, também tem 34 anos, é contrabaixista e mais ligado ao jazz. Juntos são os Magano. A expressão tipicamente alentejana quer dizer qualquer coisa como "rapaz brincalhão". Quando alguém lhes pergunta de onde vem essa palavra, Nuno conta que era como a avó o chamava em miúdo sempre que ele fazia algum disparate: "Ó meu magano, vem cá!" Depois de uns anos a cantarem para os amigos, os Magano lançaram finalmente o seu primeiro disco que também se chama Magano e é agora lançado pela Universal Music: "É o encontro de três pessoas que por acaso vêm de backgrounds diferentes e é isso que confere uma nova sonoridade à nossa música", explica Sofia.

O princípio desta história está contado ao pormenor no booklet que acompanha o disco: João e Rosa apaixonaram-se, casaram e, "em busca de uma vida melhor", deixaram a sua terra, Safara, no Alentejo, para se instalarem em Almada com as duas filhas, a Fátima e a Céu. As filhas cresceram, a Céu conheceu o Mário e depois nasceram o Nuno e a Sofia. "Nós somos a primeira geração da família que não nasceu no Alentejo", conta Sofia Ramos. Dizem, "com orgulho", que têm uma costela alentejana. Mais do que isso: "Temos pena de não podermos dizer que somos totalmente alentejanos." Pela pronúncia ninguém o diria. Sofia e Nuno falam e cantam daquele jeito que só os alentejanos têm. Sobretudo Nuno, o mais velho, que passou muitos verões na casa dos avós. "Os nossos pais sempre nos incentivaram a não esquecermos aquilo que somos. E nós também somos aquilo que os nossos pais e avós são", explica Sofia. "Há uma ligação muito forte. No Alentejo sinto-me em casa."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG