Nove combates autárquicos. Santana recusou liderar lista do PSD em Torres Vedras

O líder do PSD apresentou mais candidatos às eleições de outubro, mas manteve o tabu sobre alguns grandes municípios como Porto e Sintra. Autarquias onde se adivinham fortes combates políticos, tal como é de esperar, por exemplo, em Setúbal e Almada (PS e CDU) ou em São João da Madeira com a entrada em cena de João Almeida (CDS).

Vão ser 308 combates autárquicos que vão acontecer até outubro, o DN destaca aqui nove que vão dar que falar.

Lisboa

Medina versus Moedas na luta por todos os votos

O grande duelo autárquico, não há dúvidas, vai ser mesmo em Lisboa. O socialista Fernando Medina, que se recandidata à presidência da Câmara, tem um concorrente de peso que congrega muito do centro-direita, Carlos Moedas. E apesar do antigo comissário europeu não ter conseguido uma ainda mais ampla coligação dos partidos do seu campo político, com o Iniciativa Liberal a colocar-se de fora, e o Chega a ser posto de lado, tem com ele várias pequenas forças que são importantes para somar votos. Mesmo que não consiga derrubar Medina, terá certamente um resultado muito mais folgado para o PSD do que em 2017, até porque soma os votos do CDS.

Porto

Vladimiro Feliz será o challenger de Rui Moreira?

O independente Rui Moreira soma e segue, incluindo o apoio do CDS, que na corrida à Câmara do Porto não fez o movimento para descolar do autarca e dar a mão aos sociais-democratas. Este é um dos desafios para o líder do PSD, que até foi presidente do município durante três mandatos. O desafio a Paulo Rangel para encabeçar a lista do partido não teve sucesso e continua-se a falar do nome de Vladimiro Feliz, antigo vice-presidente de Rio na Câmara, como o candidato escolhido para defrontar Moreira (que ainda não assumiu a recandidatura). No Porto não deverá, no entanto, ser possível mudar de protagonista.

Coimbra

Manuel Machado e José Manuel Silva em confronto

O socialista Manuel Machado, que também é presidente da Associação Nacional de Municípios, voltará a entrar na corrida a um novo mandato, mas terá como principal adversário um dos vereadores independentes da autarquia e agora cabeça de lista do PSD, no caso José Manuel Silva, antigo bastonário da Ordem dos Médicos. E apesar das estruturas locais sociais-democratas terem ficado desconfortáveis por Rui Rio ter descartado o candidato que tinham escolhido, Nuno Freitas, no partido existe a expectativa que o antigo bastonário possa bater-se taco a taco com o atual presidente do município, que tem sido alvo de alguma contestação.

Setúbal

Fernando Negrão e Ana Catarina contra André Martins

A impossibilidade de Maria das Dores Meira se recandidatar à presidência da Câmara de Setúbal pela CDU, já que atingiu o limite dos três mandatos, abre a porta a um combate mais aceso no município. Isto porque até ao momento apenas se sabe, com certeza, que Fernando Negrão (antigo vereador na autarquia) será o candidato de coligação PSD/CDS. Mas o PS também aposta forte nesta câmara, que quer recuperar, e deverá levar por diante a candidatura da atual líder parlamentar Ana Catarina Mendes, que também é a secretária-geral adjunta de António Costa. Resta saber quem é que o PCP escolhe para tentar manter Setúbal. O candidato da CDU será André Martins, atual presidente da Assembleia Municipal, que pertence ao Partido Ecologista "Os Verdes".

Figueira da Foz

PSD aposta em Pedro Machado para tirar câmara ao PS

O nome de Pedro Santana Lopes foi muito falado como potencial candidato do PSD à câmara que já liderou - e que ainda poderá protagonizar uma candidatura independente - , mas o partido preferiu apostar em Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro, para defontar o socialista Carlos Monteiro. A ideia é tentar mesmo reconquistar a autarquia já que o atual presidente era o número dois no executivo camarário e só subiu à liderança depois de João Ataíde (já falecido), ter saído para o governo para assumir a secretaria de Estado do Ambiente. Com Santana ou sem Santana, a campanha vai ser muito animada na Figueira.

Sintra

Basílio Horta será desafiado por Marco Almeida?

Sintra é outra das grandes autarquias da Área Metropolitana de Lisboa que os sociais-democratas gostariam de reconquistar. Ainda não se sabe quem irá a jogo contra Basílio Horta, que se volta a recandidatar pelo PS, mas tudo aponta para que seja Marco Almeida, vereador na autarquia, a encabeçar a lista social-democrata, que se avançar não terá o apoio do CDS, apurou o DN. Apesar de toda a pressão da concelhia local para que o candidato seja outro. Também para este município foi falado o nome de Pedro Santana Lopes.

São João da Madeira

João Almeida à frente da coligação PSD/CDS?

Numa zona onde o CDS tem mais peso político, embora na autarquia tenha sido o PSD o mais votado em 2017, o partido prepara-se para avançar com a candidatura do deputado João Almeida à presidência da Câmara em coligação com os sociais-democratas. Este é um caso em que o partido mais pequeno lidera a aliança porque em termos locais tem mais expressão. João Almeida irá assim bater-se no terreno com Jorge Vultos Sequeira, do PS, que nas anteriores eleições conseguiu uma maioria absoluta para o executivo camarário. Ainda assim, há a expectativa que o deputado centrista, pela sua visibilidade pública, seja capaz de ter um bom resultado.

Torres Vedras

Pedro Santana Lopes não é a solução

O antigo líder do PSD foi desafiado pelas estruturas locais do partido, agora que é independente, depois de ter saído do Aliança, para protagonizar uma candidatura autárquica. Desta vez foi Torres Vedras que se colocou como possibilidade para Pedro Santana Lopes vir a encabeçar uma lista social-democrata. Mas o antigo autarca de Lisboa e da Figueira da Foz garantiu ao DN que não irá enfrentar Carlos Bernardes, pelo PS, que também assumiu o comando da autarquia em 2015 depois de António Costa ter convidado o então número um da câmara, Carlos Miguel, para secretário de Estado das Autarquias Locais. Mas em 2017 Bernardes já foi o cabeça de lista pelo partido.

Almada

Combate Maria das Dores Meira e Inês de Medeiros

A CDU, ou melhor o PCP, nunca se conformou em ter perdido uma das mais emblemáticas câmaras do partido, a de Almada, para o PS. E aproveitando o facto de a sua autarca de Setúbal já não se poder recandidatar, avançará com Maria das Dores Meira contra a cabeça de lista do PS, Inês de Medeiros. Promete ser um combate aceso, já que Maria das Dores Meira levará para a campanha todos os trunfos de ter transformado a cidade de Setúbal e de ter conseguido duas maiorias absolutas no município. Inês de Medeiros também jogará tudo nestas eleições, já que foi ela a obreira desta conquista para o PS em 2017.

(Notícia alterada às 11:20 com a recusa de Santana Lopes pora liderar lista do PSD em Torres Vedras)

Mais Notícias

Outras Notícias GMG