Exclusivo O PSD é mel

Este texto é uma tentativa de normalidade. Uma esperança de que aquilo por que estamos a passar não passará de um pesadelo de que acordaremos rapidamente e que nem vale a pena fazermos um intervalo nas nossas desavenças.

Nesta semana, o movimento Europa e Liberdade organizou a sua segunda convenção. A coisa durou dois dias. No primeiro, houve seis atos enquadrados pelo tema tragédia. Dentro da terrível tragédia política que, pelos vistos, vivemos, foram analisadas as questões da "ditadura do politicamente correto e o domínio cultural da esquerda radical", "o Estado capturador e capturado de interesses e o seu papel da manutenção da corrupção", passando pela "manipulação da esfera pública".

No segundo dia, abordou-se a refundação. A bonança que se quer construir depois da tempestade, digamos. Para haver refundação é necessário haver alternativas. Para tal, Miguel Morgado, Cotrim de Figueiredo e André Ventura mostraram o que devem ser as "novas alternativas ao espaço da extrema-esquerda e do socialismo radical". Faz sentido. De facto, não consigo imaginar ninguém melhor para dar soluções de extrema-direita ou de direita radical do que Miguel Morgado e André Ventura.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG