Aconteceu em 1935 - Morreu a 'Maria Marrafa'

Na edição de 14 de dezembro de 1935, o DN dá honras de primeira página à "velha criada de estudantes e figura muito popular entre a Academia de Coimbra".

"A muitos causará estranheza este facto de a morte de uma velhota merecer mais palavras do que aquelas habituais na respetiva secção", admitia o DN na primeira página de 14 de dezembro de 1935. A velhota em questão é Maria Marrafa, a "velha criada de estudantes e figura muito popular entre a Academia de Coimbra".

Maria Marrafa tinha 78 anos, mas era um "verdadeiro símbolo" para toda a "velha academia de Coimbra".

A antiga "sebenteira" e "servente" arrastava-se nos últimos tempos "velhinha com a sua capa à moda de 1900 desbotada das chuvas apanhadas no caminho da igreja", escrevia o DN numa pequena notícia de primeira página à qual não faltava a fotografia da "Maria Marrafa".

Mas Maria já fora "a bela Maria Marrafa - porque foi uma linda mocetona" que "percorria todas as ruas da Alta pela madrugada a distribuir as 'sebentas' à rapaziada sempre alegre, generosa, acompanhando essa distribuição com outras da sua amizade e a de algumas parceiras das suas economias", pode ler-se na notícia.

O texto termina dizendo que o funeral de Maria Marrafa, que "ultimamente vivia no seu quarto da Rua da Matemática quase miseravelmente entre fotografias amarelecidas de estudantes do seu tempo", se realiza no dia seguinte às 15.30. E convida "à academia todos os seus colegas a incorporarem-se como última homenagem àquela que já não tinha ultimamente mais que empenhar para pagar a renda do quartito e para viver".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG