Exclusivo Maria João Lopo de Carvalho: "As reações puritanas deixaram-me surpreendida"

A escritora falou com o DN sobre o seu último romance histórico, O Fado da Severa, em que mergulha na Lisboa popular do século XIX guiada pela mítica fadista.

Depois de Marquesa de Alorna, Padeira de Aljubarrota e Até Que o Amor me Mate - As mulheres de Camões, Maria João Lopo de Carvalho mergulhou no universo da Severa, do fado ainda dançado, e da Lisboa popular do século XIX, com epicentro na Mouraria, povoada por personagens secundárias de um mundo de música e prostituição como Marta Mamalhuda, Jesuína Ranhosa ou Carlota Escarniche.

Neste seu último romance histórico, O Fado da Severa, a escritora conta a história tão trágica quanto romântica da fadista, Maria Severa Onofriana de nascença, que morreu jovem, aos 26 anos, e da história que esta viveu com o conde de Vimioso, vindo de um mundo oposto ao da Mouraria, o dos palácios do Campo Grande.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG