Para uma Escola Digital Europeia

Uma consulta pública sobre o Plano de Ação para a Educação Digital, levada a cabo pela Comissão Europeia entre junho e setembro deste ano, é elucidativa. A quase totalidade (95%) dos que responderam considera que a pandemia da covid-19 assinala um ponto de viragem em relação à forma como a tecnologia é utilizada na educação e na formação. Mais de 60% dizem ter melhorado as suas competências digitais durante a crise e mais de 50% querem continuar a fazê-lo.

Ao longo de anos, educação e formação têm sido sinónimos de ensino presencial. A interação entre professores e alunos tem-se vindo a desenrolar num determinado espaço físico: a sala de aula. As restrições da pandemia, que afetaram cerca de cem milhões de estudantes na Europa, vieram, no entanto, revolucionar de forma profunda este paradigma.

Com o fecho das escolas, a covid-19 transpôs a sala de aula para o espaço online e consciencializou-nos para o facto de a educação e a formação não poderem, em qualquer circunstância, ser interrompidas.

Governantes, professores, educadores, pais e alunos terão de se adaptar e responder a estas novas realidades. Será fácil? Não, não é. Exige resiliência e criatividade.

A criação de uma Escola Digital Europeia, assente numa plataforma europeia de partilha de experiências e de projetos, cuja criação propus aos meus colegas do Grupo dos Socialistas e Democratas (S&D) no Parlamento Europeu, parece-me fundamental. Não se trata de criar uma nova instituição ou uma nova agência europeia, mas sim de valorizar um conceito, dando-lhe vida sob a forma de um projeto europeu de partilha, de uma plataforma digital.

Ao longo destes meses, cada Estado membro respondeu de forma diferente às dificuldades e aos desafios educacionais criados pela pandemia. Nem tudo terá corrido da forma esperada, mas a capacidade de resposta de todos os atores educativos foi imensa. Muitos agregados familiares na União Europeia (UE) não tiveram, nem têm, acesso a computadores, e o uso da internet de banda larga varia em função das regiões e do rendimento das famílias.

E esta crise pôs ainda mais a nu as desigualdades sociais. Mais de um em cada cinco jovens em toda a UE não dispõem de um nível básico de competências digitais, e apenas cerca de 40% dos educadores estão à vontade no uso das tecnologias digitais. Falar de educação digital não é falar apenas do uso de computadores e redes de comunicação. É muito mais do que isto, uma vez que implica também uma dimensão social.

Cada país terá experiências e práticas pedagógicas importantes e diferentes. Com o projeto de uma Escola Digital Europeia queremos possibilitar a partilha destas mesmas experiências. A sua partilha, valorização e implementação ajudará governantes e comunidades educativas a responder a estes desafios que não são novos, mas com os quais fomos agora confrontados com toda a urgência e com os quais temos de aprender e aproveitar o que de inovador conseguimos.

A Escola Digital Europeia será certamente um instrumento importante para a dimensão europeia na educação. Sabemos que, de acordo com os Tratados, a UE tem competências limitadas em matéria de educação. Mas é precisamente tendo em conta a função de coordenação da UE e a partilha de boas práticas que deve ser feito este projeto.

Para que a educação digital e a Escola Digital Europeia funcionem são precisos professores, educadores, estudantes e todos os atores educativos, com competências digitais, conteúdos de aprendizagem de qualidade e plataformas seguras respeitadoras de privacidade e de normas éticas. São precisas infraestruturas, conectividade e equipamentos digitais adequados. E, também neste campo, são precisas estratégias para lutar contra as desigualdades.

Infelizmente, foi preciso esperar por uma crise como a da pandemia da covid-19 para que muitos se consciencializassem para a importância de incrementar e consolidar a educação digital. Mas não podemos desperdiçar o que de positivo resulta destas experiências. A Escola Digital Europeia poderá ser uma delas.

Deputada europeia (Grupo S&D) e ex- secretária de Estado dos Assuntos Europeus

Mais Notícias

Outras Notícias GMG