Fechou-se o túnel entre a Casa Branca e o Vaticano

Al Smith em 1928 tanto foi diabolizado como o anticristo como acusado de querer construir um túnel entre a Casa Branca e o Vaticano e perdeu as presidenciais, John Kennedy foi eleito em 1960 depois de obrigado a garantir que a sua lealdade era à América e não ao Papa, mas Joe Biden venceu agora as eleições e pouco destaque se deu ao facto de ser católico, na verdade apenas o segundo a ser presidente em quase dois séculos e meio de história.

Falar de história aqui tem uma relevância tremenda: calcula-se que em 1776, quando os Pais Fundadores assinaram a Declaração de Independência escrita por Thomas Jefferson, os católicos não seriam mais de 1% dos americanos. A colonização britânica tinha atraído os anglicanos, seguidores da religião oficial do monarca, mas também uma multiplicidade de seitas protestantes vindas do Velho Continente. Os católicos só começaram a ser visíveis no século XIX, com os imigrantes alemães e irlandeses. Depois, e cada vez em maior número, foram chegando italianos e polacos, portugueses também. E os séculos XX e XXI viram ainda a multiplicação de latino-americanos. O resultado é que hoje um quarto dos 330 milhões de americanos são católicos. E os Estados Unidos surgem no mundo como o quarto país com mais católicos, depois do Brasil, do México e das Filipinas, mas à frente de Itália e de França.

Biden, candidato democrata vencedor a 3 de novembro, vai à igreja aos domingos. Também às vezes noutros dias. Quando foi vice-presidente de Barack Obama conheceu Francisco (e antes Bento XVI) e parecem ter simpatizado um com o outro, com o Papa já entre os líderes que felicitaram a recente eleição. Mas, como escrevia há dias o The Washington Post, "Joe Biden goes to church, politics remains outside", ou seja frequenta a igreja, mas separa a crença religiosa da ação política. É célebre, aliás, o episódio do encontro de Biden, ainda senador, com João Paulo II, em que evitou beijar o anel papal, uma recomendação da mãe, descendente de irlandeses e que sempre ensinou ao filho que ninguém era mais do que ele, fosse o Papa ou a rainha de Inglaterra.

Pelas contas da Associated Press, os católicos nas últimas presidenciais dividiram-se quase ao meio entre Biden e o presidente republicano Donald Trump, 49% e 50%. Como em 2016 Trump obteve 60% do voto católico, num duelo com Hillary Clinton, protestante como ele, é tentador tirar ilações sobre os ganhos do Partido Democrático em apresentar um candidato católico, mas não nos devemos precipitar. Não só a afluência às urnas neste ano foi recorde, como Trump já não era uma incógnita para o eleitorado e, por outro lado, Biden conseguiu ser muito mais consensual entre as bases partidárias do que a antiga primeira-dama (e ex-senadora e ex-secretária de Estado).

Adepto de políticas sociais (o Obamacare para garantir cuidados de saúde é um dos grandes legados dos seus oito anos com Obama) e tolerante com a imigração, o que o faz estar em sintonia com o Papa, Biden não deixa, porém, de defender o direito de escolha das mulheres no aborto, o que contraria a Igreja Católica. Já no que diz respeito à pena de morte, o novo presidente tem desenvolvido muito o seu pensamento desde os tempos em que era um senador convicto da sua utilidade para combater o crime e no mínimo não partilha o entusiasmo de Trump pelas execuções como método de justiça, o que se aproxima do abolicionismo a que os sucessivos papas apelam.

Crente, pois, e certamente com uma relação complexa com a fé devido às tragédias familiares que viveu, Biden será um católico presidente e não um presidente católico. A normalidade agora da sua eleição, depois dos traumatismos das campanhas de 1928 e 1960, poderá ter beneficiado da candidatura do democrata John Kerry em 2004, um católico também.

Primeiro candidato católico à presidência por um grande partido desde 1960, Kerry fez uma campanha normal, com a religião em plano secundário (falou-se mais até da mulher milionária, a portuguesa Teresa, viúva do magnata dos enlatados Heinz). A derrota para George W. Bush deveu-se, provavelmente, ao clima patriótico pós-atentados de 11 de setembro de 2001, que favoreceu o presidente em funções. Nem mesmo os grupos evangélicos mais avessos ao Papa conseguiram dessa vez, e agora também não, agitar as massas com a ameaça do anticristo. A América cada vez mais plural já não se amedronta com a diferença, mesmo que a maioria da população, e sobretudo as elites, ainda seja muito WASP, o acrónimo inglês para brancos protestantes anglo-saxónicos.

Curiosamente, se a presença de católicos na Casa Branca tardou, já no Supremo Tribunal a sua influência é evidente desde há uns anos. Basta pensar que seis dos nove juízes do equivalente ao nosso Tribunal Constitucional, incluindo dois dos três nomeados por Trump, professam o catolicismo.

Um Supremo Tribunal com membros vitalícios de matriz conservadora é certo, que influenciará a vida dos americanos ainda muito depois de Biden ter sido presidente (cumpra um ou dois mandatos), mas ao qual ninguém acusará hoje de ter um túnel até ao Vaticano.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG