Insuficiência cardíaca. Terminada a discussão, é preciso agir: informar, dar acesso e financiar

No mundo, mais de 26 milhões de pessoas sofrem de insuficiência cardíaca (IC). Em Portugal, estima-se que sejam 400 mil, mas o presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia diz que tais números são de há 20 anos. A verdade é que esta doença é hoje um problema maior de saúde pública. Para alertar e consciencializar a sociedade e os órgãos decisores para a situação, o Global Media Group realizou de 6 a 8 de outubro um ciclo de conferências - com o apoio da Novartis e da Medtronic, transmitido em direto nos sites de DN, JN e TSF - no qual participaram especialistas, dirigentes da saúde e governantes. Aqui fica um resumo da participação de todos os oradores.

Pela primeira vez um grupo de especialistas de várias áreas da saúde, representantes dos doentes, dos serviços de administração pública, do Ministério da Saúde, da indústria farmacêutica e de tecnologias médicas reuniram-se para analisar as falhas no tratamento dos doentes com insuficiência cardíaca (IC), debater ideias e apresentar propostas para melhorar o sistema.

Estes contributos foram vertidos no documento "Consenso Estratégico para a Insuficiência Cardíaca em Portugal", apresentado e discutido, nesta semana, entre terça e quinta-feira, em webinars transmitidos em direto nos sites do DN, JN e TSF.

O relatório começa por chamar a atenção para a necessidade de criar uma "campanha nacional de sensibilização e informação sobre a IC", que, como se pode ler no documento, servirá de alerta "para sinais, sintomas e prognóstico, promovendo hábitos de vida saudáveis". Esta mesma ideia esteve na base de todos os debates do ciclo de conferências. Segundo os especialistas, a prevenção é uma arma fundamental para combater a doença que afetará 400 mil portugueses atualmente e que pode atingir meio milhão em 2060.

Sobre isto, o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, referiu, ainda no primeiro dia de debate, que "é certo que agora implicará uma dotação de recursos", mas "são recursos que vamos poupar mais tarde". Se as pessoas souberem a que sintomas devem estar atentas (pernas e pés inchados, cansaço, dificuldades respiratórias) e onde se devem dirigir pode evitar-se o agudizar precoce da doença, diminuindo a pressão sobre o sistema de saúde.

Outras das medidas consideradas de aplicação prioritária pelos especialistas é a reformulação dos diferentes cuidados de saúde de forma que estes se tornem mais articulados. O grupo de trabalho diagnosticou a importância de haver mais profissionais de saúde especializados na área de cardiologia e de estes estarem a trabalhar em conjunto, independentemente do nível de cuidados. "A base da resposta à IC deve ser um sistema integrado entre cuidados de saúde primários e especializados, garantindo que estes doentes podem ser tratados até fora dos hospitais", numa fase inicial da doença, apontou a coordenadora científica da rede europeia Heart Failure Policy Network e a responsável pelo estudo, Sara Marques.

Ao mesmo nível, estão as preocupações com o acesso à informação sobre a doença por parte dos profissionais, nomeadamente de estatísticas atualizadas sobre a prevalência da IC em Portugal, e a integração dos cuidados paliativos na rede que se pretende construir. Tudo isto sem esquecer a questão do financiamento. O grupo de especialistas pede, no relatório, a "valorização financeira dos atos prestados à pessoa com IC em hospital de dia, e financiamento específico para programas de integração de cuidados entre hospitais e centros de saúde" e a comparticipação do teste de diagnóstico, que não dispensa a realização posterior de um eletrocardiograma. Este exame tem um custo de aproximadamente 25 euros e, para os médicos, faria toda a diferença se pudesse ser comparticipado, quando prescrito por um especialista de medicina familiar.

Sara Marques juntava a estas medidas, segundo afirmou na conferência, um pedido de investimento na telessaúde, numa altura em que, por causa da pandemia de covid-19, é aconselhado que os doentes de risco - como são os que sofrem de IC - evitem os cuidados de saúde presenciais se não precisarem realmente do apoio destes. Esta reivindicação também se encontra espelhada no documento, mas como sendo menos prioritária do que as descritas anteriormente.

"A conversa na área da saúde parece que é só covid, mas a verdade é que ainda faz mais sentido agora uma campanha de sensibilização para a IC"

"Acho que neste momento ninguém poria em causa esta forma de tratar os doentes virtualmente", acredita a especialista, sediada em Londres, sublinhando que este é o momento decisivo para a aplicação destas medidas. "A conversa na área da saúde parece que é só covid, mas a verdade é que ainda faz mais sentido agora uma campanha de sensibilização para a IC", porque "as pessoas que vivem com esta doença estão em maior risco de terem complicações se contraírem covid-19", alerta.

"Espero que este seja um ponto de viragem na resposta à IC em Portugal", confessa Sara Marques, referindo-se ao documento, que começou a ser construído em julho do ano passado e que todos os intervenientes esperam que não seja "para ficar nas gavetas do ministério", como descreveu o presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia ainda no início da jornada de apresentação das conclusões.

Oradores

Durante três dias, participaram no Ciclo de Conferências IC - Uma Estratégia para Portugal, 15 oradores, desde especialistas em insuficiência cardíaca e gestores de unidades de saúde, de representantes de doentes e de organismos do Estado a governantes. Os principais alertas vão para a necessidade de melhorar o acesso aos cuidados, para serviços mais organizados, para a formação de profissionais de saúde especializados na área, para o aumento da informação disponível sobre a doença e para a importância de mais investimento.

Victor Gil, presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia

IC é um problema maior de saúde pública

A abertura do ciclo de conferências ficou a cargo do presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, Victor Gil, que, no seu discurso, fez questão de relembrar que a doença "é um problema maior de saúde pública" e que precisa de mais atenção. Referindo: "Apesar de ser uma doença cuja incidência está a aumentar, não existe até agora um plano de ação como acontece para o enfarte do miocárdio ou para o AVC, nem um modelo estruturado de acompanhamento dos doentes."

O cardiologista sublinhou haver "algumas experiências louváveis no país, que resultaram de iniciativas autónomas, mas sem uma rede de articulação funcional definida com os diversos níveis de cuidados e com o programa nacional de reabilitação cardíaca". E para tal sugeriu que se avalie "com rigor a verdadeira expressão da insuficiência cardíaca em Portugal, já que os números amplamente divulgados são estimativas que têm como base dados reais com 20 anos".

Sara Marques, coordenadora científica da Heart Failure Policy Network

Doentes com IC têm riscos acrescidos com covid

Depois de iniciados os trabalhos, foi a vez de Sara Marques, a representante da rede científica europeia Heart Failure Policy Network e coordenadora do documento de consensos "Insuficiência Cardíaca - Uma Estratégia para Portugal", apresentar as linhas gerais do relatório. Em nome do grupo, que começou a reunir-se em julho do ano passado, com o objetivo de avaliar o tratamento dos doentes com IC em Portugal e fazer propostas de melhoria para a rede de cuidados, Sara Marques apontou como prioritário: a "necessidade de melhorar a sensibilização, a integração e financiamento dos dados em IC e a necessidade de formar profissionais de saúde em diversas áreas".

Em direto de Londres, onde está sediada, a especialista falou ainda na importância de apostar
na prevenção e de reformular a organização dos cuidados de saúde, tornando-os mais articulados, tema que viria a ser comum a quase todas as intervenções dos três painéis de debate, moderados pelo jornalista Paulo Baldaia. "Uma gestão adequada faz toda a diferença para a pessoa que vive com IC, para os seus cuidadores, para o sistema de saúde e para a sociedade", destacou.

Sara Marques fez também questão de sublinhar a importância de investir em mecanismos de telessaúde, que adquiriram maior importância em tempos de pandemia. Já que os doentes com IC - que são de risco - devem ao máximo evitar deslocações desnecessárias aos serviços de saúde. "As pessoas que vivem com IC estão em maior risco de complicações se contraírem a covid-19", recordou a coordenadora do estudo, como forma de apontar que esta discussão é ainda mais necessária no contexto atual.

Filipe Macedo, coordenador do Programa de Doenças cérebrocardiovasculares da Direção-Geral da Saúde

"Tentámos não deixar de tratar os doentes"

O coordenador do Programa de Doenças Cérebrocardiovasculares da Direção-Geral da Saúde (DGS) admite a importância de se dar mais atenção aos doentes com IC em tempo de covid-19, sob pena de ficarem por fazer diagnósticos ou de se agravarem estados de saúde. "Tudo isto é novo e estamos muito preocupados", garante.

Filipe Macedo referiu que, nos primeiros meses de pandemia, "alguns doentes tiveram receio de se deslocar aos centros de saúde e hospitais", mas que "a partir do verão notou-se gradualmente um regresso destes". O representante da DGS disse que se vive nesta área uma situação "cada vez mais tranquila", que, acredita, não deverá ser alterada com a aproximação do inverno, em que as doenças sazonais e a covid vão conviver e pressionar mais os serviços de saúde.

"Há um plano a nível de saúde para todas as doenças cardiovasculares e o plano consiste em teleconsultas. Estamos a fazer muitas mais teleconsultas do que fazíamos antes", aponta.

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública

Prevenir para não termos de remediar

Seguiu-se a intervenção do presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública dedicada à prevenção. Depois de recordar que Portugal tem uma população cada vez mais envelhecida e, como tal, com mais doença crónica, Ricardo Mexia apelou ao investimento na prevenção da doença. "A IC tem um papel que não podemos descurar", referiu. "É certo que agora implicará uma dotação de recursos", disse, mas "são recursos que vamos poupar mais tarde".

Se as pessoas souberem a que sintomas devem estar atentas (pernas e pés inchados, cansaço, dificuldades respiratórias) e onde se devem dirigir; se os doentes depois de diagnosticados tiverem um acompanhamento regular, com boa comunicação entre os diferentes níveis de cuidados, o volume de doença grave pode diminuir, defendeu o médico de saúde pública. "Se passarmos às ações, estas irão materializar-se em ganhos para o sistema de saúde e para os cidadãos."

António Lacerda Sales, secretário de Estado adjunto e da Saúde

Secretário de Estado diz que governo irá agir

No segundo dia do ciclo de conferências dedicado à "Prevenção, Tratamento e Impacto Socioeconómico em Tempos de Pandemia", a abertura foi feita pelo secretário de Estado adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales. Durante a sua intervenção, num vídeo gravado horas antes do debate, o governante, também médico especialista em ortopedia, deixou a garantia de que "o governo tem consciência do muito que ainda há a fazer pela insuficiência cardíaca", mostrando abertura para refletir sobre as propostas reunidas no documento "Consenso Estratégico para a Insuficiência Cardíaca em Portugal".

"Temos enormes desafios em matéria de IC, que deverão merecer a nossa melhor atenção", admitiu, nomeando, depois, a importância de assegurar "um envelhecimento mais ativo e digno através
de políticas públicas que coloquem todos os cidadãos no centro", uma preocupação que nos deve levar à promoção de "estilos de vida mais saudáveis, através de uma alimentação equilibrada e de exercício físico". No fundo, a aposta deve estar na "prevenção da doença, no diagnóstico precoce
e depois na reabilitação".

Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

A importância dos cuidados de saúde primários

Na sua intervenção, o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar deixou claro que Portugal ainda "não tem todas as condições ideais para tratar os doentes de IC. A rede de referenciação destes doentes precisa de ser mais robusta", argumentou, defendendo ser necessário a capacitação dos cuidados de saúde primários para auxiliar os pacientes.

À pergunta sobre o que falta para que os médicos de família possam colaborar no diagnóstico e no tratamento, pelo menos numa fase inicial do processo, Rui Nogueira respondeu com a explicação
de que a classe não tem sequer "acesso a um exame essencial para o diagnóstico". De acordo com Rui Nogueira, se o governo comparticipasse este exame, com um custo aproximado de 25 euros, e que não dispensa a realização de um eletrocardiograma para confirmar o diagnóstico, os médicos de família poderiam assumir com mais eficácia o tratamento dos doentes com IC numa fase preliminar da doença, trabalhando em articulação, depois, com internistas, cardiologistas e até intensivistas, mediante situações mais graves.

José Silva Cardoso, coordenador do Grupo de Estudo Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Vida saudável é o primeiro passo para evitar a IC

"A população deve ser motivada para um estilo de vida saudável. O pináculo da medicina é a medicina preventiva e não a medicina curativa", argumentou José Silva Cardoso, o coordenador do Grupo
de Estudo de Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Cardiologia. "É melhor fazer a profilaxia do que o tratamento. Temos de evitar que o mal se instale."

O caminho, aponta, passa em primeiro lugar por adquirir melhores hábitos de vida, como fazer uma alimentação cuidada, praticar exercício físico e evitar o sedentarismo. Se estas indicações forem cumpridas, a sociedade estará a fazer uma melhor prevenção da IC. E os próprios doentes poderão alcançar melhores resultados no seu tratamento.

Pedro Marques, cardiologista e especialista de arritmologia, pacing e eletrofisiologia

"Os doentes já chegam ao hospital descompensados"

O dia-a-dia no hospital dá ao cardiologista e arritmologista Pedro Marques a sensação de que muitas vezes "o diagnóstico [dos doentes com IC] só é feito durante o primeiro internamento". O que não aconteceria se a articulação entre os cuidados de saúde primários e os hospitalares estivesse bem oleada.

Desta forma, os doentes só teriam de ser atendidos no hospital em situações de agudização da doença, ficando o diagnóstico desde logo feito nos centros de saúde. Pediu, portanto, uma melhor articulação entre os diferentes níveis de cuidados.

Joana Pimenta, membro da Coordenação do Núcleo de Estudos de Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna

"Temos de priorizar os doentes em ambulatório"

A maior dificuldade no atendimento dos doentes com IC na ótica da medicina interna é a gestão das camas hospitalares durante os internamentos, que, neste caso, são habitualmente longos e reincidentes, apontou Joana Pimenta, a coordenadora do Núcleo de Estudos de Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Por isso, "temos de priorizar os doentes em ambulatório", defende.

"O ideal é que o doente seja tratado fora do hospital" e que só chegue a este nível quando sofre realmente uma descompensação grave. "O que eu creio é que nos falta organização para fazer um acompanhamento fluido destes doentes." Uma opinião que está em linha com o que já tinha sido defendido anteriormente por outras vozes, como a do cardiologista Pedro Marques.

Victor Herdeiro, vice-presidente da Agência de Investigação Clínica e Inovação

Organização em torno do doente

Victor Herdeiro, que foi administrador de uma unidade de saúde familiar de Matosinhos, e que agora é vice-presidente da Agência de Investigação Clínica e Inovação, admitiu também que o combate à IC "passa muito por nos organizarmos em torno da patologia e não da especialidade médica". Ou seja, é o doente quem tem de estar no centro dos cuidados e a rede de saúde tem de se adaptar a este. O primeiro passo, para este especialista, tem de passar obrigatoriamente por uma reformulação da comunicação entre os diferentes níveis de cuidados.

Miguel Cabrita, secretário de Estado adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional

Trabalho desregulado prejudica a saúde

"Vivemos numa sociedade em que as pessoas vivem até mais tarde, trabalham até mais tarde e não vivem necessariamente com melhor qualidade de vida", assumiu o secretário de Estado adjunto do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, na abertura do terceiro e último dia do ciclo
de conferências.

"Todas estas questões contribuem para uma maior incidência de doenças na população", começou por enquadrar o governante, na mensagem que enviou em vídeo e que foi transmitida em direto na sessão subordinada ao tema "IC - Um olhar profissional e sistémico".

O governante diagnosticou "uma equação sistémica" e aproveitou a oportunidade para fazer um apelo às boas práticas empresariais, pedindo mesmo empregadores que tivessem em conta a saúde dos empregados, numa altura em que o teletrabalho se tornou essencial e a diferença entre o horário laboral e o tempo de descanso se esbate, comprometendo
a saúde dos cidadãos.

"Não podemos permitir que a necessidade de dar respostas de curto prazo [à pandemia de covid-19] oculte ou deixe para segundo plano a necessidade de uma estratégia mais estrutural", afirmou a propósito da prevenção da IC, que passa, em primeiro lugar, pela adoção de estilos de vida mais saudáveis. E a vida saudável envolve também um trabalho seguro, com condições dignas.

Luís Filipe Pereira, presidente da Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca

É preciso melhorar o acesso dos doentes

Neste dia, e após o governante, o moderador Paulo Baldaia começou por questionar o presidente da Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca, Luís Filipe Pereira, para quem a questão fundamental é a do acesso dos doentes aos cuidados de saúde. O antigo ministro da Saúde denunciou que, apesar de o Serviço Nacional de Saúde ter uma base universal, perpetua, através das listas de espera, um sentimento de desigualdade nos doentes.

Segundo Luís Filipe Pereira, três milhões de portugueses contratualizaram um seguro de saúde, sem contar com os beneficiários da ADSE, mas, defende, isto não pode ser justificável para a falta de resposta do SNS. "Temos problemas graves no SNS e o acesso é um deles. Temos, por exemplo, uma elevada carga de pessoas sem médicos de família", continua o representante dos doentes.

Outro ponto essencial é a necessidade de investimento na informação dos doentes e da comunidade em geral; munir as pessoas para que elas próprias possam estar atentas aos sinais da doença. Por isto, Luís Filipe Pereira sugere que se faça uma campanha informativa para o grande público. Quanto ao trabalho de formação que há a desenvolver junto das pessoas com IC, considera que as associações de doentes, como aquela a que preside, podem ter um papel preponderante, apoiando e desconstruindo.

Ricardo Mestre, vogal do conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde

Financiamento, sim. Mas só para uma resposta integrada

Na sua intervenção, Ricardo Mestre, vogal do conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), também concordou com a necessidade de melhorias num futuro próximo, admitindo que estas teriam de passar por um aumento do financiamento para a IC. Mas não espera que o desbloqueio de alguma verba possa ser feito de forma isolada, para esta ou para aquela unidade em particular. Tem de haver sempre "uma abordagem integrada", disse.

"O financiamento é uma alavanca importante, mas mais do que financiar um ato isolado temos de pensar num comportamento de partilha" e "procurar a melhor relação custo-efetividade", continuou.

Questionado por Paulo Baldaia sobre a apresentação de resultados para a atribuição de financiamento, considerou: "É importante partilharmos o risco da prestação de cuidados adequados", em que o fundamental é a satisfação do doente.

Luís Goes Pinheiro, presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde

SPMS promete reforço da telemonitorização

O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), Luís Goes Pinheiro, defendeu na sua intervenção que, "acima de tudo, o que falta é continuarmos a fazer o que se está a fazer". O presidente do SPMS referia-se ao programa de telemonitorização dos doentes crónicos, considerando que é um programa importante e "ambicioso", que já está no terreno, mas que precisa de ser "acelerado ao máximo".

Luís Goes Pinheiro destacou a telemonitorização como uma forma de melhorar a vigilância dos doentes com IC, evitando casos mais graves de descompensação, que acabam em hospitalizações. "Temos de seguir esse caminho", apontou, acrescentando que para isso é preciso continuar a fazer um esforço para que esta forma de tratar os doentes não esteja "disponível apenas nos hospitais que contratam este tipo de serviços, mas que esteja, por exemplo, também nos cuidados de saúde primários".

Para este dirigente da saúde, "falta uma uniformização alargada" das tecnologias ligadas à monitorização destes doentes, mas será tudo uma questão de "organização", porque "há capacidade para disponibilizar este tipo de informação aos profissionais de saúde". No final, uma promessa: "O que é preciso agora é ação". "Haverá novidades significativas no âmbito da telemonitorização", que deverão incluir o "alargamento e a democratização no acesso" aos cuidados de saúde, anunciou.

Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares

Uma estratégia que defina passos e metas
O representante dos administradores hospitalares, Alexandre Lourenço, numa das últimas intervenções, escolheu lembrar que o SNS, apesar das falhas diagnosticadas, "é um bom exemplo de cuidados de ambulatório". Com melhor organização, afirma que se "conseguiria resolver os problemas de acesso".

No entanto, alerta o presidente da APAH, "não podemos iniciar o processo pelo telhado". "Precisamos de mais financiamento nos cuidados, mas também de uma estratégia. Temos grande dificuldade em estabelecer os processos a seguir". Primeiro, há que definir metas, depois agir em consonância. E esse plano não se pode limitar à saúde, tem de ser transversal a toda a sociedade, tem de envolver também, por exemplo, a segurança social.

E, para fechar, uma nota de esperança: o desejo de Alexandre Lourenço é que todas estas reflexões da sociedade civil, dos representantes de diferentes níveis de cuidados, sejam um ponto de partida para a mudança da forma como os doentes de IC são atendidos. "Estamos juntos neste processo e é juntos que vamos conseguir apresentar melhores resultados."

Mais informação em coracaodeportugal.dn.pt

Mais Notícias