Premium Chega será próximo do PSD ou é preciso um "cordão sanitário"?

Rui Rio ganhou um novo aliado na eventual aproximação ao Chega. O líder do PSD da Madeira, Miguel Albuquerque, nem pede mais moderação ao partido de André Ventura como condição para o diálogo. Mas o tema continua a dividir os sociais-democratas e alguns querem um "cordão sanitário" para isolar os populistas. E há quem diga que é "extemporâneo" falar do assunto porque o que importa é fazer oposição ao governo, como diz Miguel Morgado, ex-assessor político de Pedro Passos Coelho.

Depois do líder do PSD ter admitido que um Chega "moderado" poderia aproximar-se do partido, nesta quarta-feira foi a vez de o presidente do governo regional da Madeira vir ampliar essa ideia. Miguel Albuquerque veio defender a estratégia de aproximação do seu partido ao Chega, porque considera fundamental que o centro-direita se junte para derrotar a esquerda. E sobre a moderação questionou: "O que quer dizer moderado? Moderado como o Bloco de Esquerda, que é estalinista? Moderado como o Partido Comunista, que defende a Coreia do Norte?"

Em entrevista à Rádio Renascença, Albuquerque frisou que "tudo o que seja coligações no sentido de derrotar a esquerda em Portugal é bem-vindo". E que "basta olhar para o xadrez político, para a situação, para perceber que, neste momento, é fundamental que o centro-direita se junte para derrotar a esquerda".

Ler mais

Mais Notícias