Exclusivo  "D. Manuel I foi o primeiro governante na história a assumir um poder à escala global"

Biógrafo de Afonso de Albuquerque e de Fernão de Magalhães, o historiador José Manuel Garcia é agora autor de um livro "para pessoas com pressa" em que nos explica como D. Afonso Henriques criou Portugal, o segredo por trás dos Descobrimentos e o valor do liberalismo.

São os lusitanos os nossos antepassados ou na verdade aquilo que somos deve-se sobretudo aos romanos?
Aos dois povos na medida em que as nossas origens étnicas mais antigas radicam sem dúvida nos lusitanos e outros grupos populacionais da chamada proto-história mas a nossa civilização radica numa base latina cuja importância foi indubitável para a constituição do que haveríamos de ser. Com efeito foi a romanização, seguida na sua última fase da cristianização, que iria moldar os antecedentes da realidade não apenas portuguesa mas também europeia.

D. Afonso Henriques é mesmo o pai fundador, no sentido que sem a ambição e sem a capacidade guerreira do primeiro rei Portugal podia não existir?
O facto de sermos um Estado independente com quase nove séculos de vida deve-se em grande parte à vontade e capacidade de D. Afonso Henriques querer assumir-se como criador de um reino. Temos de reconhecer que foi a sua enérgica ação política e militar que levou a que o nosso país se tivesse assumido como um Estado independente, ainda que se tenha também de admitir a evidência de que este rei contou com apoios determinantes de um escol social de nobres e clérigos interessados em assumir a emancipação de Portugal.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG