À terceira é de vez? AMLO favorito no México com ajuda de Trump

Mexicanos escolhem hoje o sucessor de Peña Nieto. Há meses que as sondagens apontam para a vitória do candidato de esquerda.

Andrés Manuel López Obrador, mais conhecido pelas iniciais AMLO, é pela terceira vez candidato à presidência do México. A acreditar nas sondagens, que lhe dão uma vantagem entre os 20 e os 30 pontos percentuais sobre os adversários, e excetuando uma surpresa que ninguém está à espera, à terceira será de vez para o candidato da esquerda. Não há segunda volta no México.

O que mudou desde 2006 ou 2012? Por um lado a estratégia, com um discurso mais moderado e alianças mais pragmáticas. Por outro lado, o contexto, com o colapso dos partidos tradicionais e a irrupção de Donald Trump a norte da fronteira. Oye Trump (Ouve Trump) é o nome do livro que AMLO editou, há um ano, com propostas e ações a defender os migrantes das políticas do presidente norte-americano. Mas nem tudo são diferenças entre ambos.

"Eles são parecidos em certas propostas que fazem, o discurso parece-se, por exemplo, no reivindicar de um protecionismo da economia", disse ao DN o analista político mexicano José António Crespo, explicando que a vitória de AMLO pode significar uma mudança do modelo económico. Mas não se sabe qual. "Ele envia mensagens ambíguas", diferentes consoante o público, referiu o professor do Centro de Investigação e Ensino Económico.

AMLO era, por exemplo, crítico do NAFTA (o tratado de livre comércio da América do Norte), mas entretanto veio dizer que respeitará o acordo. Mas as renegociações exigidas por Trump estão congeladas e não se sabe o que fará se for ele a renegociar.

"Trump deu aos mexicanos uma voz muito nacionalista, com a imigração e o muro, que favoreceu AMLO", disse ao DN o professor da Universidade Internacional da Florida Eduardo Gamarra. O argumento do líder do Morena (Movimento de Regeneração Nacional) tem sido de que irá dialogar com Trump e convencê-lo de que as suas políticas não convêm nem aos EUA. "Vai haver um choque de vaidades, de egos, e quem sabe onde isso vai parar", indicou à Reuters Juan José Rodríguez Prats, ex-colega de partido de AMLO, que se tornou adversário.

Veterano

AMLO nasceu há 64 anos numa família modesta e foi funcionário dos serviços indígenas. Tentou por duas vezes ser governador do seu estado natal, Tabasco, mas acabaria eleito em 2000 para o governo da Cidade do México. Apesar do discurso de esquerda, a sua administração foi considerada pragmática, lançando-o no caminho de uma campanha presidencial.

Derrotado por menos de 250 mil votos em 2006, num país com quase 90 milhões de eleitores, alegou ter sido "roubado" e paralisou a capital com protestos declarando-se o legítimo presidente. Desde então, esteve em campanha constante (voltou a ser segundo em 2012), tendo percorrido o país e dado voz aos desfavorecidos.

"O AMLO de hoje é o mesmo de antes. O que mudou foi a estratégia: ele aprendeu com os erros", disse Crespo. "Em 2006 tinha um discurso muito radical, atacava o presidente. Agora é mais moderado", acrescentou. "Ele é o mesmo, com muitas das mesmas características e discurso populista. Mas aprendeu. Por exemplo, que precisava de um forte apoio do setor privado", referiu Gamarra. Crespo vai mais longe: "Enquanto em 2006 foi purista em relação aos princípios e valores, não se aliando a quase ninguém, agora permitiu alianças sem ligar a ideologia ou trajetória. Aceitou todos os que lhe podiam dar algo. Votos, dinheiro, o que fosse para ganhar."

Para Gamarra, AMLO também beneficiou da destruição dos partidos tradicionais: o Partido Revolucionário Institucional (PRI) e o Partido de Ação Nacional (PAN). O primeiro (ao qual pertenceu) governou de 1929 a 2000, voltando ao poder em 2012 com Enrique Peña Nieto. O segundo liderou o país nesse ínterim.

O candidato do PRI, José Antonio Meade, ex-ministro das Finanças e da diplomacia, é terceiro nas sondagens. "Para o PRI, esta será a maior derrota que sofreu na sua história. E pode representar o seu desmantelamento", explicou Crespo. Em segundo está Ricardo Anaya, ex-líder da Câmara dos Deputados, do PAN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG