Ongoing "desconhece decisão" sobre alegada fraude

A Ongoing desconhece qualquer decisão da CMVM que aponte para a existência de uma situação de fraude à lei quando dividiu a sua participação por várias sociedades na Impresa, mas salienta que as decisões do regulador não são vinculativas.

"A Ongoing desconhece qualquer decisão neste sentido. Nunca fomos notificados", disse à Lusa o advogado do grupo Diogo Duarte, acrescentando que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) nunca pediu o contrato da venda de acções.

O Jornal de Negócios noticia hoje, na sua edição na Internet, que "a CMVM considera ter existido uma situação de fraude à lei, por parte da Ongoing, quando dividiu a sua participação por várias sociedades na Impresa, de modo a eleger um administrador na assembleia-geral do grupo".

O advogado do grupo liderado por Nuno Vasconcellos garantiu não ter conhecimento da deliberação da CMVM citada pelo jornal e salientou que o entendimento da Ongoing "é que qualquer decisão que o regulador tenha não é vinculativa e, portanto, não tem impacto nas acções judiciais".

"Não sabemos que exista essa decisão. Não a conhecemos", reiterou Diogo Duarte, acrescentando que a Ongoing tentou esta tarde contactar o regulador, tendo enviado um pedido de esclarecimento, que até agora não obteve resposta.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG