Greve dos maquinistas da CP mantém-se

O Sindicato Nacional de Maquinistas (SMAQ) e a empresa não chegaram a acordo na reunião realizada esta tarde. Greve do dia 1de Janeiro de 2012 e às horas extraordinárias durante esse mês mantém-se.

No primeiro período de greve, entre a meia-noite de sexta-feira e as 12:00 de segunda-feira, a paralisação dos maquinistas da CP provocou o cancelamento de 2.702 comboios, segundo cálculos feitos pela Lusa a partir de dados da empresa.

O Sindicato Nacional dos Maquinistas (SMAQ) decidiu avançar para a greve para contestar os processos disciplinares alegadamente ilegais interpostos pela empresa. Hoje, após reunião com a administração da CP, decidiu manter a greve do primeiro dia do ano e às horas extraordinárias durante o mês de Janeiro.

"O processo voltou à estaca zero. A greve mantém-se", afirmou no final da reunião o presidente do Sindicato Nacional dos Maquinistas (SMAQ), António Medeiros.

O sindicalista lamentou que o presidente da CP não tivesse participado na reunião e disse que vai pedir a intervenção da tutela, isto é, da Secretaria de Estado dos Transportes.

O SMAQ avançou para a greve para contestar os processos disciplinares alegadamente ilegais interpostos pela empresa pelo incumprimento de serviços mínimos. O presidente do sindicato afirmou ainda que o alegado incumprimento de serviços mínimos "é uma falácia da administração". "Se os serviços mínimos não foram cumpridos foi porque a empresa não reuniu logística para que fossem cumpridos", afirmou António Medeiros.

O conselho de administração da CP, por sua vez, lamentou que o sindicato dos maquinistas "não tenha reconsiderado a sua posição à luz das garantias que a Empresa reafirmou de que, como habitualmente, todos os processos disciplinares que eventualmente estejam insuficientemente fundamentados ou padeçam de alguma irregularidade seriam arquivados".

António Medeiros, do sindicato, disse recentemente que, actualmente, estão em curso cerca de 200 processos disciplinares de maquinistas.Estes processos representam "mais de 650 dias de previsão de suspensão, uma vez que a média de dias de suspensão ronda os quatro", explicou.

A CP estima um prejuízo de 2,5 milhões de euros com a greve da época natalícia, em que foram cancelados 2.702 comboios.

Desde Fevereiro, as greves na CP já causaram um prejuízo acima dos dois milhões de euros, de acordo com a transportadora.

O sindicato dos maquinistas representa 1.200 maquinistas da CP.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG