Custos de construção de habitação mantêm aumento de 1,8% em fevereiro

A variação homóloga do índice de custos de construção de habitação nova manteve-se estável nos 1,8% em fevereiro, com o abrandamento da componente de materiais a ser compensado pela aceleração dos custos da mão-de-obra, divulgou hoje o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a variação homóloga do índice da componente materiais fixou-se em 1,6% em fevereiro, menos 0,5 pontos percentuais (p.p.) do que em janeiro, enquanto o índice da componente mão-de-obra acelerou 0,4 p.p. para uma taxa de variação homóloga de 1,9%.

O índice relativo a apartamentos registou uma taxa de variação homóloga de 1,7% em fevereiro, idêntica à do mês anterior, e o referente a moradias desceu 0,1 p.p., para uma taxa de 1,8%.

Relativamente ao índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação, apresentou uma taxa de variação homóloga de 1,8% em fevereiro, menos 0,2 p.p. face à taxa de janeiro.

De acordo com o INE, este comportamento do índice agregado resultou de decréscimos de 0,2 p.p. na variação homóloga da componente produtos e de 0,6 p.p. na de serviços, cujas taxas se fixaram em 1,8% e em 1,6%, respetivamente.

Em fevereiro face a janeiro, observaram-se decréscimos das taxas de variação homóloga dos índices de todas as regiões do país à exceção da região Norte, onde a taxa se manteve inalterada, nos 3,1%.

Tal como em janeiro, a maior descida registou-se no Algarve, cuja taxa de variação homóloga em fevereiro foi de 1,0% (2,3% no mês anterior).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG