Comissão Europeia aprova reestruturação do BPN

Bruxelas considera que o negócio de venda preserva estabilidade financeira e cria entidade viável.

A Comissão Europeia aprovou hoje a reestruturação do Banco Português de Negócios (BPN). Citado pela Lusa, o comissário europeu da concorrência, Joaquin Almunia, considerou em Bruxelas que "a reestruturação é conforme as regras em matéria de auxílios estatais da UE". Com esta aprovação, pode concluir-se a venda do BPN ao banco angolano BIC, já que a operação criará uma entidade que a comissão considera ser "viável", preservando-se a estabilidade financeira do País.

Nos últimos dias surgira a dúvida sobre o negócio e foi mencionada a possibilidade da liquidação do BPN ser menos dispendiosa do que a operação de venda. Bruxelas questionou o governo português sobre o tema e solicitou informação. Um documento da comissão, citado pelo DN na sua edição de quarta-feira, referia que a venda estava a ser efectuada "a um preço negativo". O aparente impasse levou o BIC a admitir a desistência da compra. Em causa, estavam centenas de empregos dos trabalhadores do BPN.

O banco foi nacionalizado em novembro de 2008, após se ter descoberto um buraco nas contas de 700 milhões de euros. Na altura, o governo socialista garantiu que não haveria custos para os contribuintes, mas entretanto o Estado terá suportado uma fatura entre 5 mil e 8 mil milhões de euros. O memorando da troika inclui a obrigação de reprivatizar ou liquidar o BPN. A operação de venda ao BIC foi assinada em dezembro do ano passado, mas depende da aprovação de Bruxelas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG