PSD diz que é necessário apurar responsabilidades

O secretário-geral do PSD, Miguel Relvas, considerou hoje necessário o "apuramento de responsabilidades" face à existência de "milhares de portugueses que quiseram exercer o seu direito de voto e não o puderam fazer por razões administrativas".

Numa primeira reacção às projeções de abstenção relativas às eleições

"Houve milhares de portugueses que quiseram exercer o seu direito de voto e não o puderam fazer por razões administrativas que são de lamentar e que esperamos que sejam apuradas responsabilidades. Somos muitas vezes confrontados em Portugal com a realidade de a responsabilidade morrer solteira e o PSD entende que esta explicação tem que ser dada", disse.

Recordando que a própria Comissão Nacional de Eleições (CNE) "veio reconhecer que este factor teve um papel importante em muitas mesas de voto", o responsável do PSD salientou que "os responsáveis governamentais deviam ter sabido é que com a alteração para o cartão do cidadão seria normal nesta eleição que esta circunstância hoje sucedesse".

"A questão que se coloca é que milhares de portugueses e juntas de freguesia que tentaram aceder ao site, por sms, a verdade é que o sistema tecnológico bloqueou e foi incapaz de dar resposta, levando muitos portugueses a não poderem exercer o seu direito de voto", reforçou. Miguel Relvas considerou, por isso, importante o "apuramento de responsabilidades".

Quanto à "abstenção voluntária", Miguel Relvas considerou que o fenómeno - que "já aconteceu quando está em causa a reeleição de um presidente" - deve levar os responsáveis políticos a reflectir. O responsável social-democrata afirmou ainda que "só à posteriori se pode saber quem sai mais prejudicado com a abstenção".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG