Afinal Diana não ia casar com Dodi al-Fayed

Um novo olhar sobre a vida, o casamento, os romances e a morte no livro "The Diana Chronicles".

“Naquele dia de Agosto fui acordada às 5 da madrugada por um telefonema da CNN.” Passaram quase dez anos e mantêm-se as dúvidas sobre o que esteve por detrás da notícia que Tina Brown, então directora da revista New Yorker ouviria do outro lado da linha. Diana de Gales morrera na sequência de um acidente de viação em Paris. Um mês antes as duas haviam almoçado a convite da princesa para falar sobre as causas humanitárias em que estava envolvida.


Foi em1997. Quase dez anos depois, a mesma Tina Brown sai com um livro sobre aquela que desde o mais mediático dos lutos ficaria conhecida como a “princesa do povo”. “Não sou o tipo de pessoa que compre um livro sobre Diana, mas leio todos os artigos. Escrevi este livro para as pessoas que lêem os livros mas também para pessoas como eu”, disse Tina Brown ao The NewYork Times a propósito de The Diana Chronicles. A partir da leitura de mais de 200 entrevistas da princesa, Brown reconstitui o percurso de Diana Spencer de uma forma inovadora. É uma análise ao comportamento dos media ao longo da vida e após a morte de Diana e um olhar sobre a monarquia, as celebridades e as mulheres. Numa entrevista ao site Salon.com, Brown diz que o que a levou à escrita do livro foi “a complexidade de Diana”, mais do que “uma menina bonita com um casamento infeliz”.


No livro, Diana surge como uma criança abandonada pela mãe aos seis anos, criada pelo pai, adolescente que estudou até aos 16 e se tornou educadora de infância. Conheceu Carlos quando ele namorou com a irmã, Sara. Interessou-se, mas estranhou a amizade com Camilla Parker-Bowles. Ainda segundo Brown, Diana e Carlos tiveram relações sexuais antes do casamento. Brown não evita a controvérsia à volta das relações extra conjugais de Diana. Teve um caso com o oficial James Hewitt e com o guarda-costas Barry Manakee, afirma. Após o divórcio relacionou-se com o cirurgião Hasnat Khan e o negociante de arte Oliver Hoare. Desmente a teoria de Mohammed al-Fayed de que tencionava casar com o seu filho, Dodi, e aponta evidências do seu interese no financeiro Teddy Forstmann. Será? Diana morreu e quase dez anos depois o filho Harry comentou, em entrevista à CNN, onde esteve com o irmão, William, as causas da morte da mãe. “Ninguém nunca saberá.”

Mais Notícias

Outras Notícias GMG