Cessar-fogo da ETA com "controlo internacional"

Duas formações da esquerda abertzale (independentista) basca elaboraram um documento a propor as condições para o fim da violência no País Basco e que inclui um cessar-fogo permanente da ETA com "controlo internacional", informou hoje o El País.

Em comunicado conjunto, a Eusko Alkartasuna (EA) e o Batasuna referem que o documento está incluído no acordo que o EA e o sector político do Batasuna apresentaram em 20 de Junho em Bilbao.

A oferta foi até ao momento ignorada pelo Governo. No entanto, "responsáveis da luta antiterrorista" citados pelo diário de Madrid consideraram a proposta de trégua "um passo, evidentemente, mas não o passo que deve dar a ETA. Para ser credível, apenas é válido o abandono definitivo da violência e a entrega das armas".

O diário basco El Correo, que atribui o documento apenas ao Batasuna (considerado o braço político da ETA e ilegalizado), indica que a primeira das oito condições estabelecidas para um acordo consiste na declaração de cessar-fogo permanente da ETA, sob verificação internacional.

O documento sugere outras condições, como a aceitação dos "princípios Mitchell", estabelecidos no processo de paz para a Irlanda do Norte, no qual se renuncia à utilização da violência e ao desarmamento total e verificável, para além da a revogação da Lei dos Partidos e o cancelamento dos processos judiciais contra as organizações da esquerda abertzale.

O documento também sugere o fim das ameaças e pressões "contra todas as pessoas" e sublinha que devem ser feitos "esforços para a reconciliação de todas as vítimas". A transferência dos presos da ETA para prisões do País Basco e a libertação dos reclusos com doenças graves são outras propostas avançadas.

A esquerda abertzale, que está a intensificar as pressões sobre a ETA para a declaração de um cessar-fogo, defende ainda a abertura de "uma ou várias mesas de diálogo" entre os partidos bascos, com mediadores internacionais, para abordar as questões políticas e uma negociação entre o Governo espanhol e a ETA "sobre as consequências do conflito" para as vítimas, presos e membros da ETA.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG