PPM lamenta "vitória do voto de protesto"

O cabeça-de-lista do PPM ao Parlamento Europeu, Nuno Correia da Silva, lamentou hoje não ter sido eleito e que tenha "vencido o voto de protesto", sem a criação de uma alternativa política.

"Sem serem os resultados que nós esperávamos, verifica-se que houve um voto de protesto", quando o Partido Popular Monárquico pretendia afirmar-se "como uma candidatura de alternativa" nestas eleições, disse Nuno Correia da Silva à agência Lusa.

Na sua opinião, "o protesto venceu sobre a alternativa", enquanto a vitória do PS e a derrota da Aliança Portugal "significam que há uma tendência para a alternância" no poder.

"Não há uma alternativa afirmada", no país, com o desfecho das eleições de hoje, em que se verificou "um voto claro nos partidos de protesto, como a CDU e o MPT", declarou o candidato monárquico.

Nas eleições europeias, o PPM obteve menos de 18 mil votos, pouco ultrapassando 0,5% dos sufrágios.

Perto de 9,7 milhões de eleitores foram hoje chamados a eleger os 21 deputados portugueses no Parlamento Europeu, menos um do que há cinco anos.

No total, concorreram 16 listas, mais três do que nas europeias de 2009.

No total, são eleitos 751 eurodeputados pelos 28 estados-membros da União Europeia (UE), que representarão cerca de 500 milhões de cidadãos da UE nos próximos cinco anos.

Mais Notícias