Juncker em campanha em Portugal a 17 e 18 de maio

O candidato do Partido Popular Europeu (PPE) a presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, realiza a sua ação de campanha para as eleições europeias em Portugal a 17 e 18 de maio, data da conclusão do programa de assistência.

A 07 de abril, Juncker havia indicado, em declarações a jornalistas portugueses em Bruxelas, que estaria em Portugal a 05 ou 06 de maio, mas a deslocação afinal terá lugar apenas por ocasião da data de conclusão do programa de assistência financeira (17 de maio), de acordo com o calendário da campanha do antigo primeiro-ministro luxemburguês, hoje divulgado em Bruxelas.

Na sua visita a Portugal -- que constitui assim uma das últimas ações de campanha antes das eleições, que se realizam entre 22 e 25 de maio -, Juncker, que é o candidato ao executivo comunitário apoiado por PSD e CDS-PP (que formam a Aliança Portugal), deslocar-se-á ao Porto no dia 17 e a Lisboa no dia 18, estando a agenda precisa ainda em preparação.

Fonte da campanha de Juncker disse à Lusa que não houve propriamente um adiamento da deslocação a Portugal, já que apenas no último fim-de-semana o candidato definiu, com o seu novo diretor de campanha, as datas definitivas do seu "périplo" pelos Estados-membros da UE.

Jean-Claude Juncker, 59 anos, foi presidente do Eurogrupo entre 2005 e 2013, e dirigia assim o fórum de ministros das Finanças da zona euro quando Portugal pediu assistência externa e negociou o programa com os seus parceiros internacionais, em 2011.

O político luxemburguês é um dos grandes candidatos a suceder a Durão Barroso na presidência da Comissão Europeia, cargo para o qual se apresentam também como candidatos nas eleições europeias deste ano o alemão Martin Schulz (Socialistas), o belga Guy Verhofstadt (Liberais), o grego Alexis Tsipras (Grupo da Esquerda Unitária) e o francês José Bové e a alemã Ska Keller (Verdes).

As eleições europeias de 2014, que decorrerão entre 22 e 25 de maio - realizando-se o sufrágio dia 25 na maioria dos Estados-membros da União Europeia, incluindo Portugal - serão as primeiras celebradas à luz do Tratado de Lisboa, que entrou em vigor em dezembro de 2009 (após as europeias de junho desse ano), e que conferiu mais poderes à assembleia, incluindo o resultado do sufrágio ser "tido em conta" na designação do presidente da Comissão, que continua a pertencer ao Conselho (chefes de Estado e de Governo).

ACC (ATF) // SMA

Mais Notícias

Outras Notícias GMG