Peres e Abbas apelam à paz ao falarem no Parlamento turco

Gul pediu a abertura de um gabinete cipriota turco em Telavive.

Shimon Peres foi, ontem, o primeiro Presidente do Estado de Israel a usar da palavra no Parlamento de um país de população muçulmana. Fê-lo em Ancara e foi seguido na tribuna, momentos depois, pelo Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas. Os dois dirigentes aproveitaram o momento para pedir que seja aproveitada a oportunidade de paz consubstanciada na conferência de Anápolis (Maryland), agendada para o fim do mês.


"A paz é uma prioridade dos interesses do Estado de Israel . Faço questão de declarar que Israel está decidido a acabar com este conflito ", disse Peres, falando em hebreu e referindo-se ao conflito israelo-palestiniano.


O Presidente israelita e prémio Nobel da Paz afirmou ainda que o seu país está determinado a alcançar a "solução dos dois estados", democráticos, vivendo lado-a-lado em paz.


Peres aproveitou o facto de estar a falar perante os 550 deputados turcos e outros responsáveis do país, entre eles o Presidente Abdullah Gul, para manifestar a gratidão de Israel pelo apoio dado, em 1492, pelo sultão Beyazid II aos judeus que foram então expulsos da Espanha católica. "Aqui, eles encontraram uma terra de tolerância onde puderam praticar livremente a sua religião".


Mahmud Abbas, seguindo Peres na tribuna e falando em árabe, considerou a conferência de paz de Anápolis uma "ocasião excepcional" que deve ser devidamente aproveitada para acabar com o conflito entre os dois povos. Para Abbas, encarar de ânimo leve tal oportunidade pode ter "consequências perigosas".


Horas mais tarde e durante uma conferência de imprensa conjunta com Peres e Gul, Abbas afirmou que "se a paz acontecer e a ocupação terminar, Israel viverá num mar de paz", dando assim a entender que a segurança do Estado hebreu estará directamente ligada ao sucesso do processo de paz. Abbas garantiu ainda que os palestinianos estão a trabalhar "activamente" para conseguir que "Anápolis seja um sucesso".


Por seu turno e no primeiro encontro que manteve com Peres, Gul solicitou a abertura de um gabinete cipriota turco em Telavive, o que surpreendeu a delegação israelita. Peres retorquiu que discutiria a questão com a chefe da diplomacia de Israel .


Mais tarde, o Presidente turco alertou Peres que "a segurança de Israel é importante, mas não se pode ignorar os problemas dos palestinianos. Israel tem de parar com a construção de colonatos".


Curiosamente, o primeiro-ministro israelita Ehud Olmert recebeu ontem os dirigentes dos colonos que lhe comunicaram que uma retirada da Cisjordânia teria um efeito de "tsunami".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG