Pais de alunos de escolas particulares escrevem à "troika" contra cortes no financiamento

Entre 30 a 40 mil e-mails foram enviados à "troika" que está a negociar a ajuda financeiro a Portugal pelos pais de alunos das escolas do ensino particular contra os cortes no financiamento, revelou hoje o movimento S.O.S. Educação.

"Até ao momento já foram enviados entre 30 mil a 40 mil mensagens e queremos atingir as 100 mil", afirmou em comunicado Luís Marinho, do S.O.S. Educação. Nos e-mails enviados, a cujo modelo de texto a agência Lusa teve acesso, os pais dos alunos das escolas de ensino particular, sensibilizam a troika (que integra o Fundo Monetário Internacional, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu) para a necessidade de haver no país "liberdade de escolha da escola e a manutenção destas instituições para bem dos níveis de eficiência do ensino".

Os pais afirmam que as escolas do ensino particular e cooperativo saem mil euros por ano mais baratas por aluno do que as escolas do Estado, para justificar a necessidade de se manterem com maiores níveis de financiamento pelo Ministério da Educação. No email, referem que em Janeiro o Governo avançou com cortes de 30 por cento no financiamento, "um corte três vezes superior às escolas do Estado que obrigou muitos estudantes a irem para escolas do Estado". Os pais chamam a atenção que a medida traz "instabilidade" às escolas e conduz alguns ao "encerramento já no próximo ano letivo".

"Estas medidas vão matar de vez a liberdade de escola da escola em Portugal, criará um modelo de ensino enfraquecido e acentuará a pouca competitividade da economia no futuro pela fraca preparação das próximas gerações", acrescentam. O Governo vai deixar de financiar um total de 256 turmas de escolas do ensino particular ao abrigo dos contratos de associação, mais 42 do que o proposto no estudo da rede divulgado em Fevereiro. A partir do próximo ano lectivo os contratos de associação com as escolas particulares são celebrados por um período de cinco anos, até nova avaliação das necessidades da rede pública.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG