Ex-quadro da GALP nega que carro tenha sido contrapartida

O ex-quadro da Galp António Paulo Costa, arguido no processo 'Face Oculta', confirmou ter recebido, a título de empréstimo, uma viatura de alta cilindrada de Manuel Godinho, mas negou que isso fosse uma contrapartida para arranjar trabalho para o sucateiro.

O arguido, que começou hoje a ser ouvido no Tribunal de Aveiro, onde decorre a quinta sessão do julgamento, afirmou conhecer Manuel Godinho, que lhe foi apresentado por Paiva Nunes, administrador da EDP Imobiliária, igualmente arguido, durante um almoço em Lisboa, em maio de 2009.

António Paulo Costa, que à data dos factos era responsável pelas Relações Institucionais e Comunicação Interna da Galp, foi questionado pelo juiz presidente sobre as alegadas diligências realizadas por si para arranjar trabalho para as empresas de Manuel Godinho, designadamente sobre os trabalhos de desmantelamento e descontaminação do Parque de Sacavém.

Sobre este assunto, o arguido admitiu ter marcado uma reunião do empresário das sucatas com o administrador da Soturis, empresa do grupo Galp responsável pelo processo de venda daquele imóvel, mas rejeitou que com esse comportamento tenha exorbitado as suas funções, como sustenta a acusação, e garantiu não ter violado o código de ética da empresa.

O ex-quadro da Galp referiu ainda que Manuel Godinho lhe pediu ajuda, porque "estava aflito", e admitiu ter ajudado em "pequenas coisas", designadamente cedendo ao empresário alguns contactos de amigos, como foi o caso de António Contradanças, igualmente arguido, para ver se tinham trabalho na área dos resíduos.

O arguido foi então confrontado com a exibição de várias fotografias onde surge a receber um veículo da marca Mercedes (avaliado em mais de 280 mil euros) em 17 de Junho de 2009, em casa de Manuel Godinho, em Ovar, tendo o juiz presidente questionado se a entrega da viatura tinha a ver com as diligências efectuadas.

"É um carro de grande valor que só se empresta a uma pessoa de grande confiança", realçou o magistrado.

António Paulo Costa confirmou ter recebido a viatura, mas deixou bem claro que do seu lado "não poderia haver nada em troca".

"Tenho 51 anos. Sou assim quando me pedem ajuda. Durante a minha vida toda a gente conhecia o meu fascínio por automóveis. O senhor Godinho teve essa gentileza comigo e eu aceitei", afirmou.

O depoimento do ex-quadro superior da Galp foi interrompido cerca das 12:45 e será retomado ao início da tarde, agora com o arguido a responder às questões dos procuradores do Ministério Público e dos advogados dos assistentes e de defesa.

António Paulo Costa acusado de um crime de corrupção e outro de tráfico de influências, é o terceiro arguido a ser ouvido pelo tribunal, desde a passada terça-feira, quando começou o julgamento.

O primeiro arguido a prestar declarações foi o antigo ministro e ex-vice presidente do BCP, Armando Vara, seguindo-se o depoimento do ex-presidente da REN (Redes Energéticas Nacionais) José Penedos, que foi interrompido na passada sexta-feira.

A audição de Penedos só deverá ser retomada na quarta-feira, devido à indisponibilidade do seu advogado para estar presente em Aveiro.

O caso 'Face Oculta' está relacionado com uma alegada rede de corrupção que tinha como objectivo o favorecimento de um grupo empresarial de Ovar ligado ao ramo das sucatas nos negócios com empresas do sector empresarial do Estado e privadas.

No banco dos réus estão sentados 36 arguidos (34 pessoas e duas empresas) que respondem por centenas de crimes de burla, branqueamento de capitais, corrupção e tráfico de influências.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG