A birra e a AG do Benfica

O caso da Assembleia Geral do Benfica, na quinta-feira, volta a mostrar como uma simples atitude, seja motivada por uma birra momentânea ou por um recalcamento demorado, pode pôr em causa tudo o que de bom se vai fazendo. Objectivamente, o Benfica tem razão no caso que o opõe às suas claques , que optaram pela via da não legalização. Além disso, embora continue a ter muitas dificuldades no mercado - ainda por cima ampliadas pelo bombardeamento constante de nomes que vai sendo feito pela imprensa des portiva, a maior parte condenados ao fracasso - e até aqui só tenha chegado a figuras secun - dárias, o clube está a traçar um rumo coerente na formação do plantel.

Com estas duas verdades interiorizadas, que sentido faz que Luís Filipe Vieira se recuse a responder às interpelações dos sócios em AG, mandando em vez disso os vice-presidentes falar? Não faz sentido nenhum e só pode servir para abrir mais uma frente de batalha interna de que o Benfica não precisa neste momento. A quem está de fora até parece que, depois de ter prometido que não iria meter-se no trabalho de Rui Costa, dessa forma satisfazendo os que o acusavam de ser demasiado interveniente no futebol, Vieira decidiu agora levar o caso ao extremo e nem aos amigos comenta o que se passa no clube. E é pena que assim seja.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG